Poema I

casket.jpg

Um trovador toca e canta para sua amada, que estende seu braço direito em sua direção.
Detalhe de um porta-jóias (c. 1180), tesouro da catedral de Vannes.

I.
Companheiro, farei um verso conveniente
que terá mais loucura, não sensatez,
e será todo mesclado de amor, de gozo2 e de juventude.

II.
Tenhais por vilão quem não o entender, 3
quem em seu coração com vontade não o aprender,
pois grave é partir aquele que encontra no amor prazer.

III.
Dois cavalos há para selar, e isso está bem.
São bons, corajosos em armas e valentes,
mas não posso tê-los juntos, pois um não suporta o outro.

IV.
Se eu pudesse domesticá-los do meu jeito,
não desejaria ter outros em minha guarnição,
pois, enquanto vivesse, estaria melhor cavalgado que qualquer homem.4

V.
Um deles foi o mais rápido dentre os cavalos montanheses,
mas há tanto tempo que está selvagemente fugitivo,
E é tão selvagem e feroz que se defende do comando.

VI.
O outro foi educado lá abaixo, próximo de Confolens.5
Nunca houve mais belo, em minha opinião;
este eu não trocaria nem por ouro, nem por prata.

VII.
Quando foi dado a seu senhor, era um potrinho que pastava,
mas eu o retive tão convenientemente,
que, se o tivesse por um ano, tê-lo-ai mais de cem.

VIII.
Cavaleiro, dai-me conselho de um pensamento,
nunca fui tão indeciso em uma escolha,
não sei qual ter, se Dona Agnes ou Dona Arsênia.6

IX. 
Em Gimel eu tenho o castelo e o domínio,
e por Nieul tenho orgulho diante de todas as gentes,
pois ambos me são jurados e prometidos em sangue.7

 

 

Notas

  • 1.  Base da tradução: GUILLERMO IX. Duque de Aquitania y Jaufré Rudel. Canciones completas. Madrid: Editora Nacional, 1978.
  • 2.  Joy – Palavra que significa o êxtase do amor, alegria suprema, estado de espírito que elevava o trovador acima de si mesmo, resultado do amor sensual, sentimento novo desconhecido dos antigos e da Cristandade da Idade Média até então.
  • 3. Na poesia cavaleiresca, toda alusão ao camponês é sempre injuriosa. Aqui, a passagem sugere que todo camponês é ignorante e, pior, grosseiro, pois não é capaz de perceber as sutilezas dos versos de amor.
  • 4.  “...estaria melhor cavalgado que qualquer homem”, expressão que representa o domínio da mulher (domina) sobre o homem. Posteriormente, o ato de ser cavalgado seria maravilhosamente narrado na lenda de Aristóteles e Phillys (Lai de Aristóteles, c. 1223, poema composto pelo clérigo e trovador normando Henri de Andeli [c. 1220-1240]). Ver COUTINHO, Priscilla Lauret e COSTA, Ricardo da. “Entre a Pintura e a Poesia: o nascimento do Amor e a elevação da Condição Feminina na Idade Média”. In: GUGLIELMI, Nilda (dir.). Apuntes sobre familia, matrimonio y sexualidad en la Edad Media. Colección Fuentes y Estudios Medievales 12. Mar del Plata: GIEM (Grupo de Investigaciones y Estudios Medievales), Universidad Nacional de Mar del Plata (UNMdP), diciembre de 2003, p. 4-28.
  • 5.  Confolens – Cidade francesa localizada na região de Poitou-Charentes.
  • 6.  Nesse momento, o poeta revela seu segredo - e a tensão do poema finda: os cavalos são duas damas, e ele só pode ficar com uma delas, pois ambas se odeiam!
  • 7.  Após a revelação, o poema termina com um auto-elogio: apesar de sua indecisão no amor, Guilherme não quer deixar uma má impressão: embora hesitante, ele é poderoso, pois é estimado por todos, já que possui castelos e domínios.