A disputa entre Pedro, o clérigo, e Ramon, o fantástico (1311)

Ramon Llull (1232-1316)
Trad. e notas: Ricardo da Costa1

 

I

(1) Certa vez, dois homens que se dirigiam para um Concílio geral2

se encontraram no caminho. Um deles era clérigo, o outro, leigo. O clérigo perguntou o nome ao leigo, e ele respondeu: “– Ramon Llull”.3

(2) Disse o clérigo: “– Ramon, já ouvi muito falar que sois um grande fantástico.4

Vejamos, diga-me, o que ireis pedir nesse Concílio?”.

(3) Disse Ramon: “– Três coisas. Em primeiro lugar, que o senhor papa e os reverendos cardeais desejem fundar estudos nos quais se aprendam diversos idiomas, de maneira que, depois disso, os estudantes se espalhem por todos os lugares do mundo, pregando, como está ordenado nos santos Evangelhos de Deus5, e que tal ordenação perdure até que todos os infiéis tenham vindo para a fé dos cristãos. Em segundo lugar, que o senhor papa e os cardeais estabeleçam uma única ordem geral que inclua todos os monges cavaleiros, e que todos permaneçam no outro lado do mar lutando contra os infiéis até que a Terra Santa seja restituída aos cristãos. E em terceiro lugar, que o papa e os cardeais desejem ordenar que os erros de Averróis propagados em Paris sejam totalmente extirpados, já que por culpa deles nossa santíssima fé padece de muitos males”.6

(4) Assim que o clérigo ouviu aquelas palavras, explodiu ruidosamente em uma gargalhada e disse: “– Pensava Ramon, que fôsseis um fantástico, mas agora, realmente, por vossas palavras, vejo que não sois somente um fantástico, mas um superfantástico!”.

(5) Disse Ramon: “– É possível, mas eu não percebo minhas fantasias, pois tudo o que disse são coisas razoáveis, são necessárias de serem feitas e não dariam um fruto fraco. É possível que vós é que sejais o fantástico, já que demonstrastes a rapidez de vosso riso e não inclinastes vossa mente às minhas palavras. Contudo, vós, que sois clérigo, deveríeis inclinar vossa mente e vossa devoção a coisas desse tipo muito mais que eu, que sou leigo”.

(6) Então o clérigo disse muitas palavras ofensivas, e inclusive o ameaçou. Ramon não se importou com aquelas palavras ofensivas, nem com as ameaças do clérigo, e lhe disse: “– Clérigo, vós credes que sou fantástico; eu é que creio que vós sois. Por acaso desejais que entre nós se inicie uma discussão para vermos quem é o fantástico, e que cada um de nós mostre suas razões a seu favor e em defesa de seus interesses, e que tudo se acabe quando cheguemos ao Concílio geral?”.

(7) Disse o clérigo: “– Aceito”.

(8) Então disse Ramon: “– Mas antes de propor as razões, devemos saber o que é que nomeamos como fantasia para assim estabelecermos os termos e os princípios que teremos que recorrer para formular nossas razões. Contudo, antes de escolhermos os termos, me parece conveniente que cada um de nós explique ao outro porque o crê fantástico, expondo assim seu conceito e a causa que o move”.

(9) Acolhendo estas palavras, o clérigo disse: “– Agrada-me muito”.

(10) “– Assim, se vos agrada, podemos começar”, disse Ramon.

(11) Então o clérigo contou: “– Meu pai foi um homem pobre e rústico e eu, quando estudante, vivia de esmolas. Quando obtive as ciências, consegui ricas prebendas, obtive o título em Artes e dois em Direito, fui feito presbítero arquidiácono, acumulei muitos benefícios e pude tornar ricos meus irmãos, que também eram rústicos. Além disso, eles se tornaram cavaleiros e eu casei minhas irmãs com cavaleiros, exaltando assim minha linhagem do grau mais baixo ao mais alto. Estes três jovens estudantes – se olhares para trás poderás vê-los me seguindo a cavalo – são meus sobrinhos. Cada um deles já tem uma rica prebenda, inclusive quero agora obter nesse Concílio outros benefícios para eles. E de mim o que direi? Uma grande prelazia me faz vir até a Cúria7; creio que a obterei e viverei com muitas honras; porto uma grande companhia de cavaleiros, escudeiros, cozinheiros e numerosos criados, como podeis ver; como em pratos de prata, tenho grandes riquezas e grandes despesas. Por tudo isso, se desejais, podeis ver claramente que não sou fantástico, mas prudente e discreto”.

(12) Disse Ramon: “– Escutei tudo e entendi qual é a causa que vos move e por qual motivo me tens como fantástico. Contudo, antes de vos responder, desejaria, de maneira semelhante, dizer algumas poucas palavras a meu respeito. Fui um homem ligado pelo matrimônio, tive filhos; era discretamente rico, lascivo e mundano. Deixei tudo de bom grado para poder me dedicar a fomentar a honra de Deus, o bem público e exaltar a santa fé. Aprendi árabe e fui muitas vezes pregar entre os sarracenos; por causa da fé fui preso, encarcerado e surrado. Trabalhei quarenta e cinco anos tentando mover a Igreja e os príncipes cristãos ao bem público. Agora sou velho, agora sou pobre, mas ainda tenho o mesmo propósito e o terei até a morte, se Deus quiser. Assim, vos parece que tudo isso é uma fantasia ou não? Que a vossa consciência seja o juiz, embora certamente isso seja fantástico para a vossa intenção. Mas no final, Deus, que não pode ser coagido nem enganado, será o juiz”.

(13) Então o clérigo e Ramon determinaram cinco termos: 1) fantasia, 2) as quatro causas, 3) a honra, 4) o deleite e 5) a ordem, de modo que pudessem iniciar sua disputa. E primeiramente falaram da fantasia.

II – Da Fantasia

(14) “– A fantasia é um gênero que contêm duas espécies: natural e moral. A moral se divide em duas partes: fantasia reta e discreta e fantasia oblíqua e indiscreta. A fantasia natural é constituída pelas espécies que o intelecto extrai dos sentidos e da imaginação para chegar ao conhecimento. A fantasia reta e discreta é aquela pela qual o homem se torna justo, prudente, e frequenta as outras virtudes. A fantasia oblíqua e indiscreta é aquela pela qual o intelecto habitua sua inteligência aos hábitos viciados e para os falsos”.

(15) O clérigo disse a Ramon: “– Tendes trabalhado muito, como dizem, e tendes conseguido pouco ou nada. Por isso, já está evidente que sois fantástico, pois o que desejais não soubestes conseguir, e também porque não parastes de trabalhar e mesmo assim não conseguistes vosso objetivo. Se fôsseis discreto, deixaríeis este caminho no qual estais e vos dedicaríeis a buscar outra coisa. Eu, em contrapartida, sou discreto e o tenho sido, já que em pouco tempo adquiri as honras que expliquei anteriormente”.

(16) Disse Ramon: “– A forma atua de acordo com a disposição da matéria.8 E como sois mundano, tens encontrado muitos que vos ajudam a obter bens mundanos. Por outro lado, eu estou só, já que quase ninguém cuida do bem público. Por isso dizem que sou fantástico, pois tenho feito uma comparação fantástica, e que também sou inconstante, já que me destes este conselho”.

(17) Disse o clérigo: “– Em Deus há somente dois atos: entender e estimar. Vós afirmais que em Deus há muito mais atos, isto é, bonificar, magnificar, eternizar, possuir, mas como Deus não bonifica a Si mesmo porque é bom, nem magnifica a Si mesmo porque é grande, mas entende a Si mesmo porque é inteligível e estima a Si mesmo porque é amável, considerais que em Deus há mais atos que dois e, por isso, claramente sois um fantástico”.

(18) Disse Ramon: “– Clérigo, vós fantasiais sobre Deus quanto ao intelecto, pois Ele tem em Si os correlativos, como o inteligente, o inteligível e o inteligir, e também a vontade, como o amante, o amado e o amar. Extraio estas relações formalmente de vós. Mas como fantasiais a partir de dentro de vossa bondade o bonificante, o bonificado e o bonificar, e o mesmo das outras, ignorais os atos da bondade, da grandeza e do poder. Por isso sois fantástico. Tampouco sabeis que Deus Pai, bonificando, produz de Sua bondade um Filho bom, e o Pai e o Filho, ao mesmo tempo e espirando deles mesmos, espiram o Espírito Santo. Por isso vos digo que fantasiais o homem, atribuindo a toda a razão divina um ato secundário, de tal modo que todos sejam iguais pelo que fazem ao existir e atuar intrinsecamente. Por outro lado, o intelecto divino e a vontade divina seriam superiores e as outras razões divinas inferiores, o que é impossível. Por isso mesmo, novamente vos digo que cada razão divina, pelo fato de ter Seu próprio ato, é uma razão real, sem a qual ela mesma seria uma ficção, Além disso, acrescento – e precisamente por isso, pois têm segundos atos e igualdades – que se pode provar a Trindade divina, e tenho mostrado isso mais abertamente em muitos livros que escrevi”.

(19) Disse o clérigo: “– Ramon, entendi que fizestes somente uma Arte geral para resolver todas as questões, e que se pode aplicá-la a todas as ciências. E como dizeis isso, sois fantástico, pois cada uma das ciências tem seus próprios princípios”.

(20) Disse Ramon: “– A Arte Geral tem princípios generalíssimos, sob os quais as outras artes têm princípios subalternos. Portanto, o que há de tão surpreendente se com tal Arte se pode resolver as questões das outras ciências, já que todas as ciências não tratam de coisas particulares, mas de gerais? Como ignorais essa subordinação, sois um fantástico”.

(21) Disse o clérigo: “– Ramon, soube que disputastes com os mestres de Artes de Paris e que pretendestes vencê-los com vossa filosofia – se é que se pode chamar isso de filosofia. Daí claramente se deduz que sois não somente um fantástico, mas um autêntico insensato, já que eles são tantos e vós estáveis só”.

(22) Disse Ramon: “– Clérigo, é verdade que disputei em Paris com eles. Mas algumas vezes uma disputa ocorre no nível de opiniões, e outras, no nível de certezas ou de verdades. O Estudo parisiense9, por outro lado, se encontra quase todo inclinado para as opiniões. De minha parte, não disputo senão de acordo com os modelos de intelecção até a coisa, já que o objeto da Filosofia é inteligível. E como me atacais e não sabeis disputar nem entender as formas de disputa, sois um fantástico”.

(23) Disse o clérigo: “– Dissestes que a fé é provável. Por isso sois um fantástico, porque não se pode demonstrar que Deus não tem qualquer causa acima d’Ele, e também porque Ele não é uma coisa definível. Além disso, se a fé fosse demonstrável, perderia seu mérito, como tem sido dito, já que ela não tem mérito onde a razão humana lhe oferece uma prova experimental”.

(24) Disse Ramon: “– Admito que Deus não seja demonstrável por causas, mas que é demonstrável pela equivalência de Suas dignidades. Quando dizeis que se Ele fosse demonstrável se perderia o mérito, vos refuto quanto à experiência superior que se realiza acima dos sentidos e da imaginação.10 As experiências inferiores, por sua vez, não são do gênero da fé, mas do gênero dos sentidos e da imaginação objetiva. E como julgais o que ignorais, sois um fantástico”.

(25) Disse o clérigo: “– Ramon, o intelecto humano tem dois atos: crer e entender. Disso decorre segue necessariamente que se entendes, não crês, e vice-versa. E como vós dizeis que o intelecto humano pode entender sob o hábito da fé, dizeis fantasias e algo falso e que é impossível”.

(26) Disse Ramon: “– Tenho mostrado em muitos lugares que o intelecto pode entender sob o hábito da fé, com a condição que seu entender seja inferior e seu crer superior, como o óleo, que permanece na superfície da água.11 Não sabeis que Isaías disse “Se não crês não entendes?”.12 O averroísta também diz que a fé católica é impossível, conforme o modelo de intelecção, mas que é crível. Vós opinais como ele e, por isso, como ele, sois fantástico”.

III – As Quatro Causas

(27) “– As causas são quatro: eficiente, forma, matéria e fim. Diz-se eficiente porque move a forma e, com a forma, a matéria, aquilo que serve para levar um termo a seu fim. A forma, contudo, é ativa por ela mesma, e a matéria é passiva por ela mesma. E quando o eficiente move a forma, a matéria é movida por outra. O fim é a causa das causas, pois é o último repouso”.

(28) Disse o clérigo: “– O homem é eficiente quando faz fantasias e abstrai com a forma as espécies da matéria, nas quais repousa objetivamente no fim. Com este sistema eu me torno artista e legista, pois aprendo e ensino e, por isso, não sou fantástico. Vós, por outro lado, Ramon, sois fantástico porque fingis possuir uma ciência altíssima e profunda que ninguém vos transmitiu”.

(29) Disse Ramon: “– Admito que a maneira como o eficiente obtém a ciência é fantasiante e entende de maneira reta. Contudo, vós não sois um desses, pois alteras o fim da causa pela qual existes, que é um fim que em vós estais desviado, já que vais ao Concílio por vossa causa e para vossa exaltação. Por outro lado, eu apenas desejo repousar naquele fim, que é a causa de minha existência. Por isso, ainda que fôsseis papa, serias um papa mau, perverso e totalmente digno de ser expulso deste mundo por Deus, vós e todos aqueles que tivésseis reunido no mundo para exaltar a vós e a sua estirpe. Digo-vos todas essas coisas porque sois fantástico e perverso, já que todas as causas em vós estão desviadas conforme a intenção que tendes. Assim, não desejo dizer-vos agora a maneira como obtive minha ciência”.

(30) “– Ramon, disse o clérigo, quem se torna rico não é um fantástico. Eu era pobre e enriqueci. Vós, por outro lado, que éreis rico e buscastes a pobreza, sois fantástico”.

(31) Disse Ramon: “– As riquezas não são más se foram adquiridas e são possuídas com uma boa intenção, já que são matéria e instrumento para um bom fim. As riquezas são de Deus. Contudo, se as adquire contra Deus, são má matéria em vós e estão sob uma forma perversa. Por outro lado, se sou pobre, minha pobreza – que, no caso, existe por causa de um bom fim – é matéria nula, porque dá forma às virtudes com as quais posso servir ao meu Deus e me dedicar ao bem público. Quem faz estas coisas não é um fantástico”.

(32) Disse o clérigo: “– Nenhum eficiente pode atuar fora daquilo que é, seja em potência ou em ato. Assim, vós fantasticamente considerais fora daqueles dois termos, pois pensas que o eficiente pode mover a forma à causa do fim sem a matéria, o que é impossível”.

(33) Disse Ramon: “– Colocastes um inconveniente, e rapidamente outro se segue. Assim, como pervertestes e desviastes todas as causas em vossa intenção perversa, desviada e profana, afirmastes que do nada não pode surgir algo. Logo, negais a Criação, e ainda dizeis que sois cristão! Qualquer outro bom clérigo do mundo não pensa como vós!”.

(34) Disse o clérigo: “– Ramon, dizeis que pode haver uma só forma geral, como há uma matéria primeira. Por isso, indireta e obliquamente fantasiais, porque é impossível que isso seja dessa forma”.

(35) Disse Ramon: “– Colocar o possível e ignorar as causas da possibilidade é uma posição fantástica e indireta, mas adotar a posição contrária é uma fantasia verdadeira e reta. Será que sabeis que Deus poderia criar uma forma geral com uma primeira matéria? Sobretudo quando a forma é Sua semelhança, e a matéria dessemelhança. Mais: afirmais que não há uma forma geral, pois qualquer forma particular não excederia em virtude a matéria particular, já que a matéria é, em seu gênero, passiva. Por outro lado, eliminada a universal, a forma particular não é, em si, ativa. Por isso, sois fantástico, pois sabeis pouco de Teologia e de Filosofia”.

(36) Disse o clérigo13: “– A brancura é uma forma abstrata que, quando se contrai, causa o branco formado dela mesma. A fantasia é uma forma abstrata que em vós e por vossa causa se contrai. Por esse motivo, estais viciadamente possuído. Isso se vê claramente quando me nomeias fantástico, logo a mim, que sou sacerdote e tenho um ofício altíssimo no sacramento do altar, pois Cristo, através da matéria do pão e do vinho, em virtude do sacerdote, existe corporalmente no altar sem abandonar o céu”.

(37) “– Clérigo, disse Ramon14, falaste bem sobre o que faz a filosofia da brancura, mas quando me repreende sem justificativa, dizeis mal. Pois aquele que exerce mau seu ofício, com uma intenção pervertida e perseverando no pecado, quanto mais alto é o grau de seu ofício, mais e mais é repreensível, pois atua maximamente contra seu fim. Portanto, por vosso exemplo, torna-se verdadeiro o dito popular que diz que no mundo não há pior homem que os maus clérigos, pois se deles as virtudes são irradiadas com mais força, igualmente os vícios são mais evidentes. E a causa pela qual são popularmente considerados piores que os outros homens é porque são mais instruídos e mais capacitados que os outros. Caso desejásseis, poderíeis, com a ajuda superior, converter todos os infiéis à santa fé católica e fazer retornar os pecadores às virtudes, isto é, se oferecêsseis um bom exemplo. É por isso que as gentes dizem que se fossem verdadeiras as coisas que dizem, nós faríamos, pois eles dizem, mas não fazem”.

(38) Disse o clérigo: “– Ramon, quanto maior é a forma, melhor pode atuar na matéria. Deus é uma forma infinita, separada de toda a matéria e tão poderoso em relação à matéria criada que pode usá-la para fazer um milagre em uma ordem inferior. Por isso, vos digo que, como desfruto uma grande honra e tenho um grande poder, sou digno de comandar aquele que me é inferior para que faça o que desejo e o que tenho que fazer. Por isso, não sou fantástico, mas discreto”.

(39) Mas Ramon: “– Quanto mais vos escuto falar, mais fantástico vos considero. Caso fôsseis cardeal, não daríeis nenhum conselho sensato ao consistório15, somente falso e perverso, porque vossa intenção desviada e perversa faz com que vós vos desviais de vosso fim, que é a causa de vossa existência, tornando-se altamente digno das pragas que Deus enviou ao faraó”.16

IV – Da Honra

(40) “– A honra é uma forma de ato do qual surge o honrar.17 Além disso, a honra é dupla, pois existe a honra de Deus e a honra do homem, e esta se sustenta analogicamente na honra de Deus”.

(41) Disse o clérigo: “– Ramon, vos considero um fantástico, e vós a mim. Façamos agora algumas considerações ponderadas sobre a honra e extraiamos silogismos. Aquele que tiver melhor concordância com estes será o discreto. O juízo entre vós e eu será estabelecido por meio de silogismos. Isso agradou a Ramon, pois é uma doutrina rápida, curta, e uma boa técnica para diferenciar o homem discreto do fantástico.18

As considerações ponderadas sobre a honra são estas:

–     Honra a Deus acima de todas as coisas.

–     Honra as dignidades de Deus acima de todas as outras dignidades.

–     Honra igualmente as dignidades de Deus.

–     Quem honra a Deus para honrar a si mesmo é presunçoso.

–     Uma honra possível é tão grande e digna de ser estimada quanto mais e melhor é conhecida.

–     Entre a honra e o vitupério não há meio-termo.

–     A honra coincide no senhor com a grandeza e no servo com a pequenez.

–     Quem honra um homem honorável adquire honra.

–     Honra tua alma com virtudes e disciplina.

–     Honra teu corpo com alguma bela arte e algum bom exercício.

–     Faça honra à bondade com a grandeza.

–     Honra teu intelecto com a razão.

–     Honra tua vontade com a moderação.

–     Caso se vista de paciência e de humildade, terás honra.

–     Honra tua consciência com discrição.

–     Honra tua língua com a verdade.

–     Honra teu senhor com paciência e humildade.

–     Honra tua confiança com esperança.

–     Honra teu amigo com amizade e temor.

–     Quando tomares consciência das coisas mal feitas, honra teu corpo com suspiros.

–     Quando pensares que cometestes um pecado, honra teus olhos com lágrimas.

–     Honra aquele que é maior que ti, pois no futuro terás maior honra.

–     Quando alguém te vituperar com vícios, honra a ti mesmo com virtudes.

–     Disponha tudo o que tens para comprar uma honra boa e grande.

–     Caso honrares um presunçoso, serás presunçoso.

–     Honra tua mesa com temperança.

–     Honra tua bolsa com medida.

–     Honra tua cama com castidade.

–     Honra tuas vestes com decoro.

–     Honra teus ouvidos com honestidade de palavras.

–     Honra tua imaginação com utilidade.

–     Com um segredo honras outro segredo.

–     Honra o anjo bom com bondade e obediência.

–     Honra o pai e a mãe, pois são teu princípio.

–     Honra a justiça dos magistrados.

–     Honra o indigente com generosidade.

–     Honra a boa ocasião com diligência.

–     Honra o tempo em que te encontras com prudência.

–     Honra uma virtude com outra virtude.

–     Honra a ignorância com a desculpa.

–     Honra a ciência com a humildade.

–     Honra a matéria com a forma.

–     Honra a honra com a honra.

V – Do Deleite

(42) O deleite é um hábito no qual o homem repousa. Ele consiste naturalmente em dez sujeitos, isto é, nos seis sentidos particulares que são a visão, a audição, o olfato, a degustação, o tato e o falar19; no sétimo, que consiste na imaginação; no oitavo, que é o intelecto; no nono, a vontade, e no décimo, que é a memória. Também há outros deleites acidentalmente objetivos, mas trataremos principalmente destes”.

(43) Disse o clérigo: “– Ramon, quando vejo um objeto belo, por causa de sua beleza sou naturalmente movido ao deleite, como quando vejo uma senhora bela, um leito belo, uma casa bela, uma espada bela e ornada de ouro e prata, um cavalo belo, vestidos belos, uma família bela e coisas desse tipo. Por isso, naturalmente me compraz todas essas coisas, pois minha potência visiva e os objetos me movem ao deleite”.

(44) Disse Ramon: “– O deleite que apregoas é boa forma natural, já que todo ato natural é bom, pois vem de uma ordenação divina. Contudo, se vós, por vossa causa e para adquirir o deleite da visão, fantasiais, e não para vos aperfeiçoar no louvor de Deus, por essas coisas vos tornais servidor das coisas visíveis e, por isso, sois um fantástico. De minha parte, estabeleci estimar o próximo, e eu sou vosso próximo. Por isso, me entristeço por vossa causa quando vejo que não vos serve das coisas visíveis como deveríeis”.

(45) “– Ramon”, disse o clérigo, “escuto belas palavras e tenho deleitação de senti-las, sobretudo quando sinto meus louvores, pois sou um clérigo sábio, rico, belo, generoso e coisas desse tipo”.

(46) “– Pedro”, disse Ramon, “dói vosso deleite, porque entendo que sois ambicioso e se morreres neste estado sofrereis no Inferno as penas sem fim. Por isso, isto é, por vosso desordenado deleite, acidentalmente me entristeço. Contudo, movo-me ao deleite, pois considero que, ao fazê-lo, adquiro um mérito. Este deleite que tenho, contudo, é bom; o vosso, é fantástico, oblíquo e perverso”.

(47) Disse Pedro: “– Deleito-me com coisas perfumadas, como flores, bálsamos, pigmentos, rosas e coisas semelhantes a essas. E faço isso bem feito, porque satisfaço meu olfato com seu objeto odorífico, do mesmo modo quando satisfaço a visão com um belo objeto”.

(48) Disse Ramon: “– Faz bem em uma ordem natural. Contudo, deste deleite deveríeis passar a outro, supremo e espiritual, como, por exemplo, o louvor de Deus, que colocou tanta virtude nas coisas que odoram. Mas se não passais para este segundo deleite, sois fantástico, porque deixais de adquirir o bom mérito que poderíeis adquirir”.

(49) Disse o clérigo: “– Ramon, deleito-me quando degusto coisas que têm bom gosto e que são deliciosas, como galos, perdizes, coelhos, lebres, um bom vinho e coisas desse tipo. E faço isso bem feito, porque me sirvo dos bens que Deus me deu”.

(50) Disse Ramon: “– Caso sejais bom, justo, prudente, etc., fazeis bem, pois o homem bom é digno de se servir de todos os bens terrenos, já que eles foram criados pela bondade divina para seu serviço. Contudo, se sois injusto, imprudente, destemperado, etc., nestes deleites, não deveria sê-lo, porque todo comer saboroso e o vinho são de Deus, e se torna, injustamente, Seu inimigo e, justamente, vosso próprio inimigo, pois se perseverais no pecado, deveríeis sentir grande dor com aquele deleite e conceber a tristeza, coisas que se não passam convosco, digo que sois fantástico e, pior, demente e insensato”.

(51) Disse o clérigo: “– Ramon, o tato é um sentido que causa deleite de muitas maneiras. Caso toque coisas agradáveis de tocar para adquirir utilidade, tocando-as, faço bem, pois Deus e a natureza nunca fazem nada em vão”.

(52) Disse Ramon: “– Ainda que na ordem natural algumas coisas tangíveis sejam deleitáveis, não é lícito que todas as coisas sejam deleitáveis sob a licença da razão, das ordens e das finalidades dos preceitos de Deus. Mas se usais as coisas tangíveis de forma absoluta, desobediente e desordenadamente, se torna culpável, e de tal culpa deveríeis sentir uma imensa tristeza e uma grande dor. Mas como não sentes estas coisas, sois um fantástico e estais destinado aos suplícios do fogo”.

(53) Disse Pedro: “– Deleito-me quando digo palavras eloqüentes e abundantes, porque este ato naturalmente causa deleite, e desfruto isso acidentalmente, porque considero todos aqueles que me louvam por causa das coisas que digo. Por isso, se posso procurar um deleite, seria fantástico se não procurasse”.

(54) Disse Ramon: “– A boa eloquência que possuis e o saber são para vós matéria para adquirir mérito ou culpa. Adquiris mérito se louvais aquelas coisas que são verdadeiras e louváveis sob o hábito da virtude da prudência, da justiça e de todas as outras. Por isso, é lícito que possais reivindicar o deleite produzido pelo uso da palavra. Contudo, dizeis coisas contrárias e, por isso, concebo grande dor e tristeza, porque sois fantástico”.

(55) Disse o clérigo: “– A imaginação é uma potência absoluta com a qual o homem pode adquirir um grande deleite. Por isso, quando imagino quantos bens adquiri e quantos bens ainda posso adquirir neste mundo, me deleito e me sinto muito distante de toda a tristeza e de toda a dor”.

(56) Disse Ramon: “– Admito que a imaginação seja uma potência absoluta porque serve para fantasiar, com retidão ou senso. Caso faça isso de modo ordenado, adquiris um bom deleite, mas se o fazeis desordenadamente, fá-lo mal e indiretamente. Por isso, na outra vida estarás em dor e tristeza eternas. A imaginação, com efeito, é uma potência absoluta, porque o homem pode aplicá-la livremente para obter mérito ou mal”.

(57) Disse o clérigo: “– O intelecto humano naturalmente causa um grande deleite quando consegue um objeto verdadeiro, quando o entende ou acredita nele. Assim, intelectualmente obtêm deleite, e inclusive grande, caso entendas muitas coisas verdadeiras”.

(58) Disse Ramon: “– É lícito ter deleite entendendo ou acreditando, caso se entenda sob o hábito e a regulamentação das virtudes. Mas vós não fazeis isso, pois não entendeis a finalidade da causa pela qual existes – e este fim é Deus –, mas para uma finalidade ordenada para vós. E como vos deleitais sob o hábito dos vícios, vossa alegria tornar-se-á pena e dor amargas. Por isso, aconselho que deixeis para trás vossos deleites fantásticos e busqueis deleite em entender a Deus, que é bom, grande e poderoso, e em entender as virtudes e demais coisas semelhantes a essas, pois assim merecerás o eterno deleite dos beatos”.

(59) Disse o clérigo: “– Deleito-me quando desejo alguma coisa e consigo o que desejo. Assim, me compraz muitos e diversos bens para poder multiplicar meu deleite”.

(60) Disse Ramon: “– Pedro, a vontade é uma potência absoluta com a qual se pode querer o bem ou o mal. Assim, aquele que a regula com as virtudes, a aplica para querer o bem, mas aquele que o faz com os vícios, a aplica para o mal. E como vós aplicais vosso deleite somente para vós e não para o serviço de Deus, vos considero fantástico e me proponho acusá-lo perante a cúria, diante de todo o Concílio, por vossa perversa fantasia, caso não vos corrijais. Também me agrada que, caso encontres em mim fantasias perversas, me repreendas, pois é digno de repreensão quem se deixa levar por elas”.

(61) Disse o clérigo: “– Verto alegria quando penso que fui pobre e agora sou rico, quando recordo que antes não tinha honra e agora a tenho muito. E muito maior é minha alegria quando me dou conta de quantas possibilidades ainda posso ser mais rico e mais honrado”.

(62) Disse Ramon: “– De todas as maneiras vejo que sois um grande fantástico. Digo de todas as maneiras porque buscais o deleite através dos dez sujeitos anteriores fora de vosso fim último, que é Deus. Isso desgraçadamente, pois não recordais que éreis nada enquanto éreis pobre, e agora sois menos ainda, embora sejais rico. Sois um pecador maior que antes. Caso persevereis neste hábito, adquirindo mais riquezas e honras, maior pecador serás e no eterno abismo do fogo serás torturado com maiores penas”.

VI – Da Ordem

(63) A ordem é uma forma com a qual o ordenador ordena muitas coisas a um fim, e no qual os ordenados se fundamentam. A ordem é dupla: espiritual e corporal. A espiritual é superior e ordena a inferior, como a causa em seu efeito”.

(64) Disse Ramon ao clérigo: “– Em Deus há uma ordem intrínseca, pois Ele é ordenado quanto à Sua essência e às Suas razões, já que Se expressa com Suas razões e vice-versa, tal como foi dito no princípio. Esta ordem pode ser entendida quanto à divina Trindade, causa pela qual Deus é ordenado tanto pelo que faz Sua ação intrínseca quanto pelo que faz Sua existência, pois Deus Pai produz um Filho bom, eterno e grande, já que Ele é bondade, grandeza e eternidade, e o mesmo com o Espírito Santo, que procede de todos os Dois. A Igreja foi constituída para entender, honrar, estimar e servir esta ordem altíssima e profunda”.

(65) Disse Pedro: “– Com isso estou contente, pois fui ordenado e escolhido para um ofício tão sublime e elevado”.

(66) Disse Ramon: “– Dissestes bem, enquanto vós mesmos não a pervertestes. Mas rogo que considereis: se a ordem suprema falha em alguém a ponto de resultar desordenada, não será mais baixa quanto mais alta era? Digo-vos isso porque se vos desordenais, ireis parar em um grau tanto mais baixo quanto mais alto estavas por razão de vossa ordem”.

          E Ramon insistiu: “– Pedro, nove são as hierarquias dos anjos, como sabeis. Na superior, há uma ordenação mais nobre que na imediatamente abaixo, e assim gradualmente até a inferior. A superior é mais nobre porque está mais próxima de Deus, e isso é diminuído à medida que desce. Por isso, a primeira hierarquia pode significar a ordem papal, pois o papa é o primeiro vicário, o mais alto e o mais poderoso; a segunda, a ordem patriarcal ou algo que seja mais próprio a este sumo principado sagrado; a terceira, o arcebispado; a quarta, o episcopado, e assim, gradualmente, até o clericato secular que cuida de uma paróquia”.20

(67) Disse o clérigo: “– Ramon, escuto isso de bom grado. Estou muito contente, porque sou arquidiácono e espero me elevar a um grau superior”.

(68) Disse Ramon: “– É lícito que tenhais essa esperança caso sejais ordenado na intenção e nos costumes, de modo que possais servir melhor a Deus. Mas se desejais se elevar para terdes melhor aparência e beneficiar vossa parentela, sois desordenado e fantástico, e as penas do Inferno vos aguardam, com as quais experimentarás os tormentos eternos”.

(69) Disse o clérigo: “– Ramon, porventura os elementos e todos os compostos que surgem não estão ordenados para o serviço do homem e o homem para o serviço de Deus? Por isso muito me alegro, porque sou um homem com benefícios ao serviço de Deus e posso usá-los ao serviço de todas as coisas”.

(70) Disse Ramon: “– Todas as coisas inferiores estão a serviço do homem, tal como dissestes, e o homem nasce para o serviço de Deus. Mas se vós, como homem, não serve a Deus mais que a vós mesmos, sois desordenado e fantástico, porque recebeis injusta e desordenadamente os bens das coisas que dissestes”.

(71) Disse o clérigo: “– Constantino, imperador romano, deu o Império à Igreja. Assim, o Espírito Santo fez os homens da Igreja devotos e conhecedores que a santa fé católica era a verdadeira”.21

(72) Disse Ramon: “– Clérigo, dissestes uma coisa verdadeira, pois a Igreja dos católicos tem duas espadas, tal como se diz no Evangelho: a espada corporal e a espiritual, isto é, a ciência e a devoção. Com estas duas espadas a Igreja deveria ter o suficiente para conduzir todos os infiéis ao caminho da verdade. Em primeiro lugar, se o papa enviasse homens sábios e discretos, dispostos a morrer próximo dos sarracenos, turcos e tártaros, para que mostrassem aos infiéis seus erros e as verdades da santa fé católica, de modo que eles viessem para o sagrado banho da regeneração; em segundo lugar, caso resistissem, o papa deveria preparar para eles a espada secular. É lícito e devido que haja uma ordenação como esta, e aquele que, por algum motivo, está contra esta ordenação, é fantástico e culpado, e, portanto, desordenado”.

(73) Disse Pedro: “– Ramon, Deus é onipotente, em todos os tempos e em todos os lugares, e também é O primeiro ordenador. Assim, Ele não deseja que o papa, os cardeais e todos os outros padres daquela santa ordenação constituam no Concílio uma ordenação como essa, pois se quisesse, poderia conduzir todos os infiéis ao caminho da verdade. O papa, os cardeais e os outros padres do Concílio já têm trabalho suficiente para ainda ter que ordenar os cristãos”.

(74) Disse Ramon: “– Está escrito: ‘Quem peca contra o Espírito Santo não obtém perdão de seu pecado’22, pois é Espírito de bondade universal. Parece a vós que eu tenha pecado dessa maneira porque não desejais o bem público. Por acaso não sabeis que o papa e os cardeais têm poder para uma ordenação intrínseca e extrínseca? Se ordenam os cristãos, que estão dentro, fazem bem feito; caso contrário, vão buscar fora as ovelhas perdidas e não cuidam de sua ordenação. Por isso, fazem mal, pois deixam ocioso e vazio um poder que lhes foi confiado e do qual terão que prestar contas no dia do Juízo. Eu mesmo os acusarei e me escusarei, pois muitas vezes fiz sermões à cúria sobre esse tema e escrevi muitos livros sobre o mesmo assunto”.

(75) Disse o clérigo: “– Recordo, Ramon, e frequentemente tenho percebido, que muitos príncipes que foram além-mar para recuperar a Terra Santa tentaram em vão, e se isso que reclamais tivesse sido ordenado por Deus, seus efeitos certamente já teriam sido mostrados”.

(76) Disse Ramon: “– É possível, Pedro, que eles tenham lutado para a recuperação da Terra Santa mais por causa deles mesmos do que por causa de Deus. Esta ordenação não entra na ordenação divina, pois não é ordenada. Isso aconteceria se eles tivessem ido com uma intenção ordenada, mas tiveram, além disso, que sofrer a falta de dinheiro, de reforços ou algo semelhante. Então não falharam em sua ordem quanto à intenção. Logo, adquiriram mérito. A ordem tem falhado no papa, nos cardeais e nos outros cristãos, que não lhes têm proporcionado meios suficientes”.

(77) Disse o clérigo: “– Ramon, vejo muitos pregadores, como freires menores e outros religiosos, se dedicarem a pregar aos sarracenos, aos tártaros e aos outros infiéis, mas o fruto do que têm feito, até agora, parece inútil”.

(78) Disse Ramon: “– Os freires que vão àqueles lugares não conhecem as línguas dos infiéis e, por isso, vão de maneira desordenada. Caso aprendessem seus idiomas nas terras dos cristãos, poderiam empreender o caminho de modo ordenado e dar um fruto multiplicado. Deus sempre ajuda aqueles que têm cuidado com Ele com uma boa ordenação”.

(79) Disse o clérigo: “– Ramon, não há nenhuma outra Igreja nesse mundo tão bem ordenada para servir a Deus como a Igreja Romana. Podeis ver isso nas igrejas, onde os clérigos celebram ordenadamente, cantam ordenadamente e fazem todas as coisas dessa forma”.

(80) Disse Ramon: “– Concordo. Contudo, que diríeis de alguns clérigos que, fora do recinto sagrado, continuamente cavalgam com grande pompa, comem em fartas mesas e têm muitas e grandes provisões, enquanto os pobres de Cristo clamam em suas portas? Não vos parece que seja uma ordem conveniente para os clérigos celebrarem a Igreja e cantarem as horas? Inclusive vos pergunto se é uma boa ordem um bom homem de ciência ter uma pequena prebenda e um clérigo, que é seu inverso, ter muitas e grandes, como eles mesmos dizem, riquezas”.

(81) Disse o clérigo: “– Ramon, sois um fantástico porque me atordoa com essas questões. Por isso, não quero mais discutir convosco estas coisas”.

          E separando-se, distanciaram-se um do outro, o clérigo e Ramon.

Notas

  • 1. Tradução baseada na tradução de LOLA BADIA, “Versió catalana de lia Disputa del chegue Pere i de Ramon, el Fantàstic”. In: Teoria i pràtica de la literatura en Ramon Llull. Barcelona, Edicions dels Quaderns Crema, 1991, p. 211-229. O texto foi escrito em outubro de 1311, realmente em sua viagem de Paris a Vienne, no Delfinado.
  • 2. Tratava-se do Concílio de Vienne, realizado entre 16 de outubro de 1311 e 06 de maio de 1312, onde foi decidida a supressão da Ordem do Templo e finalmente foram aceitos alguns dos insistentes pedidos de Ramon Llull, como a criação de colégios para o ensino das línguas dos infiéis. BONNER, Antoni. “Ambient Històric I Vida”. In: OS, vol. I, p. 50.
  • 3. Ramon Llull tinha então cerca de 77 anos!
  • 4. O conceito de fantasia aqui é sinônimo de loucura, insensatez. Na Idade Média, fantasia é o mesmo que fantasma, espectro, imagem. O verbo fantasiar quer dizer “fazer funcionar a imaginação no terreno das quimeras”. No texto em questão, freqüentemente o verbo fantasiar é usado para dizer "conhecer equivocadamente" (ver diálogo 18). Por fim, em sua obra Doutrina para crianças (c. 1274-1276), Llull assim situa fisicamente a fantasia: “...É coisa natural que a alma, com a imaginativa, apreenda tudo o que os sentidos corporais apreendem e que dão ao entendimento humano a fantasia, existente entre a fronte e a nuca, e que o entendimento se eleve acima da fantasia, entendendo aquilo que lhe é oferecido pela nobreza e pela grandeza de Deus, para que a vontade ame e obedeça a Deus.” (cap. LXVIII, 6), e “A fantasia é o quarto da fronte onde se encontra o paladar. Por sua vez, a imaginativa ajusta na fronte o que apreende das coisas corporais, e o que apreende entra na fantasia, iluminando aquele quarto para que o entendimento possa apreender o que a imaginativa lhe oferece. Assim, quando isso se desordena por algum acidente, o homem se torna fantástico, ou seu entendimento grosseiro, ou perturbado” (cap. LXXXV, 6).
  • 5. Mc 16, 15.
  • 6. Averróis (1126-1198) foi o principal intérprete de Aristóteles na filosofia árabe e seu pensamento influenciou a filosofia judaica e cristã. Na segunda metade do século XIII se formou no mundo latino uma orientação filosófica chamada averroísmo latino, que defendeu, entre outras teses, a teoria da dupla verdade (uma, a correspondente ao dogma e à fé, a outra, a correspondente ao exercício da razão), a eternidade do mundo, a unidade do entendimento na espécie humana (ou monopsiquismo) e a negação da imortalidade pessoal e do livre-arbítrio, o que lhe valeu a condenação por parte da Igreja. Assim, os averroístas diziam que não se podia afirmar, entre outras coisas, que o mundo foi criado no tempo, que Deus é providência, que a alma é imortal, que a produção dos seres provém de um ato de liberdade e que existe revelação de verdades por parte de Deus. Por sua vez, eles defendiam a eternidade do mundo, o intelecto único comum a todos os homens, o determinismo universal e a negação da liberdade e da Providência. Ver especialmente RAMÓN GUERRERO, Rafael. Filosofías árabe y judía. Madrid: Editorial Síntesis, s/d, p. 215-246, e REALE, Giovanni e ANTISERI, Dario. História da Filosofia I. São Paulo: Edições Paulinas, 1990, p. 536-541. Duas das principais obras de Ramon Llull contra o averroísmo (Do nascimento do menino Jesus e o Livro da Lamentação da Filosofia) estão publicadas em RAIMUNDO LÚLIO. Escritos Antiaverroístas. Porto Alegre: Edipucrs, 2001. Todas as obras desse período estão publicadas em ROL V-VIII. A melhor discussão sobre o tema encontra-se no prefácio da ROL VI.
  • 7. Prelazia – Cargo de prelado (título honorífico de dignitário eclesiástico).
  • 8. Forma e matéria são conceitos aristotélicos. “A matéria é aquilo com que se faz alguma coisa; a forma é aquilo que determina a matéria para ser alguma coisa, isto é, aquilo por que alguma coisa é o que é. Assim, numa mesa de madeira, a madeira é a matéria com que a mesa foi feita e o modelo que o carpinteiro seguiu é a sua forma” – FERRATER MORA, José. Dicionário de Filosofia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1982, p. 166.
  • 9. Isto é, a Universidade de Paris.
  • 10. Certamente uma alusão à experiência mística.
  • 11. No original, “...que nada sobre a água.” Adaptamos.
  • 12. Is 7, 9.
  • 13. Aqui Llull inicia uma analogia entre a brancura e a coisa branca e a fantasia e o homem fantástico (louco).
  • 14. Aqui se inicia um trecho bastante anticlerical, “...digno das melhores sátiras anticlericais de todos os tempos” (LOLA BADIA, op. cit., p. 49).
  • 15. “O Senado que deliberava junto ao imperador romano se denominava Sagrado Consistório do Imperador, ou Tribunal do Santo Senado – designação que se aplicou mais tarde ao Colégio Cardinalício, o senado do papa.” – ULLMANN, Walter. Historia del pensamiento político en la Edad Media. Barcelona: Editorial Ariel, 1999, p. 36.
  • 16. Ex 8-12. As dez pragas foram: as águas que se tornaram sangue, as rãs, os piolhos, as moscas, as pestes nos animais, as úlceras, a chuva de pedras, os gafanhotos, as trevas e a morte dos primogênitos.
  • 17. O capítulo IV, situado no centro geométrico da obra, é um repouso, uma pausa entre os dois disputantes. Ramon e Pedro formulam então 43 provérbios sobre o conceito de honra – uma forma típica luliana.
  • 18. Silogismo – “Tipo perfeito de raciocínio dedutivo” (PLATÃO, Teeteto, 186d); “Discurso em que, postas algumas coisas, outras se seguem necessariamente” (ARISTÓTELES, Analíticos posteriores, I, 1, 24b). Ex.: “Todos os animais são mortais; todos os homens são animais. Logo, todos os homens são mortais”.
  • 19. O sexto sentido em Llull é o “afato” (do latim affatu), isto é, a faculdade de falar, a manifestação vocal dos seres animados (ver Art Brevis, parte IX, suj. 6).
  • 20. Toda esta exposição de Llull baseia-se em uma importante fonte (não papal) das idéias políticas na Idade Média: o tratado Da Hierarquia Celeste, do Pseudo-Dionísio, o Areopagita (séc. V). Este desconhecido autor, com sua obra sobre a posição dos anjos, facilitou uma explicação filosófica da origem do poder, imprimindo conceitos como hierarquiaunidade e subordinação, dotando a teoria do poder descendente de uma forte base teórica.
  • 21. Llull aqui alude à famosa Doação de Constantino, na verdade um texto apócrifo escrito no início do século VIII (mas, na ocasião, considerado legítimo): “É evidente a enorme influência que teve sobre a Europa medieval em geral e sobre o papado em particular (...) Segundo a Doação, Constantino, desejando outorgar à Igreja romana o poder, a dignidade, a glória, a força e as honras imperiais, transmitiu ao papa todas as suas insígnias e símbolos imperiais – a lança, o cetro, a orbe, os estandartes imperiais, o manto púrpura, etc. – que passaram a ser propriedade do papa. E em sinal de humildade, Constantino desempenhou a função de strator, isto é, em um trecho guiou o cavalo do papa. Além disso, o papa recebeu o palácio imperial como residência, assim como toda a cidade de Roma, todas as províncias da Itália e o Ocidente.” – ULLMANN, Walter. Historia del pensamiento político en la Edad Media, op. cit., p. 58-60.
  • 22. LC 12, 10.