Então os cruzados começaram a profanar em nome do pendurado

Maio sangrento: os pogroms perpetrados em 1096 pelo conde Emich II von Leiningen (†c. 1138) contra os judeus renanos, segundo as Crônicas Hebraicas e cristãs

Resumo: Neste artigo, narramos e analisamos os pogroms ocorridos na Renânia em 1096. Para isso, utilizamos o método comparativo para proceder à leitura das fontes, tanto crônicas hebraicas quanto cristãs.

Abstract: In this article, we present and analyze the pogroms occurred in the Rhineland in 1096. For this, we used a comparative method in reading the sources, Hebrew as well as Christian chronicles.

Palavras-chave: Pogrom – Cruzada – Renânia – Emich von Leiningen – Idade Média.

Keywords: Pogrom – Crusade – Rhineland – Emich von Leiningen – Middle Ages.

Imagem 1

Antíoco IV Epifânio (c. 215-162 a. C.), rei selêucida da Síria (175-164 a. C.), ordena o saque dos tesouros do Templo de Jerusalém. Bíblia historiada, Paris (c. 1320-1340), Mestre de Fauvel (ativo entre 1314 e 1340), The Hague, KB, 71A 23folio 246r.

I. 1095: Pogrom no reino franco

A onda antijudaica começou na cidade de Rouen. O historiador Steven Runciman não crê (RUNCIMAN, 1983, vol. I: 138), mas, se dermos crédito ao abade Guiberto de Nogent (c. 1053-1124), os preparativos para a peregrinação armada à Terra Santa provocaram nos seus participantes o desejo de, antes, atacar “a raça mais hostil a Deus que existia”, em sua opinião, os judeus. Assim, sedenta de sangue, a horda prendeu em uma igreja quantos judeus encontrou, e matou todos com suas espadas, exceto aqueles que se converteram (NOGENT, Monodies, Livro 2, cap. V).

Pouco numerosos no período carolíngio, em teoria os judeus haviam sido impedidos de ter acesso às funções públicas nas terras francas já no século VI. Contudo, essa interdição não foi respeitada na prática. No século VIII, eles eram, sobretudo, comerciantes (FAVIER, 2004: 82), e prósperos mercadores de escravos (particularmente de pagãos, mas também de cristãos) – como, por exemplo, em Narbonne (PIRENNE, 1970: 75, 86 e 98). Eles estavam livres do impedimento cristão de empréstimo a juros – o Talmude e o Pentateuco proibiam isso, mas só entre judeus.

Imagem 2

cruz2.jpg

Um rico judeu (com um chapéu pontudo, o Judenhut – ou pilleus cornutus) empresta moedas de ouro a um cristão. Na primeira cena (à esquerda), ele conta e separa as moedas; na segunda, ele está à direita do cristão, como que envolvendo-o, e entrega a pesada bolsa a ele. Repare na estigmatização do personagem: um proeminente e demoníaco nariz adunco, olhos argutos e incisivos, ricamente vestido, adornado com uma bela capa dourada e escarlate, sapatos proeminentementes pontudos, ele parece muito satisfeito com a concretização do negócio. Enquanto isso, a postura corporal do cristão denota comiseração, pois além de seus ombros estarem curvados, seus joelhos levemente dobrados e seus olhos fixos na bolsa, seu gesto de ampará-la com a mão direita sugere, além do peso em si, que ele está imaginando o quanto terá que pagar em troca. Por fim, observe que a porta está trancada com uma barra de metal, o que também sugere a clandestinidade do ato. Iluminura das Cantigas de Santa Maria. Talvez essa iluminura seja uma exceção à regra da tese de Léon Poliakov (1910-1997), para quem os judeus, na iconografia medieval, não se distinguiam nem pela fisionomia, nem pelas atitudes (POLIAKOV, 1979: 79).

Por isso, o filósofo e matemático Levi ben Gershom (1288-1344) considerava um mandamento positivo onerar o gentio (o não judeu) com juros, “porque não se deveria beneficiar um idólatra”, e assim se poderia causar “...tanto dano quanto possível [ao gentio] sem se desviar da honradez” (citado em JOHNSON, 1989: 176).

O mútuo isolamento cotidiano e citadino também contribuiu para criar lendas entre os cristãos que incentivaram o antijudaísmo. Embora, de fato, os judeus praticassem tanto a magia branca quanto a negra – pelo menos assim revelam os documentos do Beth Genize (literalmente “casa do esconderijo”, câmaras existentes em muitas sinagogas que guardavam documentos) – circulavam estórias incríveis na cristandade, só explicáveis pelo alto grau de superstição vigente: os judeus escondiam caudas, sofriam de corrimentos sanguíneos e, principalmente, serviam ao demônio (JOHNSON, 1989: 195-197 e 209).

Um exemplo disso, também narrado por Guiberto de Nogent, nos ajuda a entender o quanto o elevado racionalismo filosófico judaico – em Maimônides (1138-1204), por exemplo – não penetrava na religiosidade popular das massas (e o mesmo ocorria no mundo cristão):

Em um famoso mosteiro, um monge foi educado desde o início de sua infância, e conseguiu algum conhecimento das letras. Ele foi abrigado por seu abade em uma cela anexada à igreja. Enquanto lá viveu, ficou doente, e isso o proveu com uma infeliz oportunidade de conversar com um judeu, que conhecia algo de Medicina. Aos poucos, eles se tornaram amigos, e isso os fez corajosos o suficiente para conversarem a respeito de transações secretas. O monge, curioso a respeito da magia negra, sentiu que o judeu sabia algo sobre ela, e insistiu para ser iniciado. O judeu concordou, e prometeu arrumar um encontro entre o monge e o demônio. O dia e o lugar do encontro foram marcados.

No dia escolhido, ele agradeceu ao mediador pela intervenção. O monge ficou diante do demônio e, por instigação do judeu, pediu para ser iniciado nos ensinamentos demoníacos. O demônio, abominável mentor que é, respondeu que aquilo era impossível, a menos que o monge renegasse seus votos batismais e oferecesse um sacrifício. O monge perguntou que oferenda deveria ser feita. “Aquilo que é mais deleitável em um homem”, disse o demônio. “O que é?”, perguntou o monge. “Você fará para mim uma libação de seu esperma”, respondeu o demônio. “Quando você tiver feito, você o provará, sendo esse seu único sacrifício”.

Que crime! Que ato vergonhoso! E isso estava sendo demandado de um padre! Isso é o que seu velho inimigo faz, Senhor, blasfemar e desonrar sua irmandade e seu sagrado anfitrião! “Não se cale” (Sl 83.1), oh, Deus, e não adie Sua vingança! O que posso dizer? Como posso falar? O infame monge que você tinha abandonado (ou o deixou somente por um tempo!) fez o que foi pedido a ele, e fez a horrenda libação, ao mesmo tempo em que renegou sua fé. (NOGENT, Monodies, Livro 1, cap. XXVI)

Somado a essa mitologia do medo, o rápido desenvolvimento econômico da sociedade do ocidente medieval a partir do século XI (FOURQUIN, 1986: 129-300) aumentou ainda mais a cisão entre as duas culturas – e a distância entre ricos e pobres. Havia um endividamento gradativo por parte dos cristãos para com os judeus, tanto de nobres (pelo aumento dos custos com o equipamento militar) quanto de camponeses (por causa dos empréstimos para a compra de ferramentas, ou mesmo para enfrentar períodos ruins de colheita). Além disso, a negação do homo oeconomicus por parte da teoria cristã vigente acirrou ainda mais a visão pejorativa que o cristão comum tinha do judeu (TUCHMANN, 1990: 36-40).

Ademais, nas mentes “simples e infantis” de então (ROUSSET, 1980: 44), a idéia de uma peregrinação armada à Terra Santa deveria ser precedida por uma “purificação” interna (observe que a palavra cruzada não existia na época). Contudo, a Igreja não era partícipe dessa violência. Séculos antes, Agostinho (354-430) já defendera que os judeus eram o testemunho vivo da fé cristã:

9. Os livros dos judeus provam nossa fé. Porque não foi exterminada a seita dos judeus

Com os olhos sem luz vão eles por todas as partes levando consigo as provas luminosas de nossa causa, para que, com elas, esta nossa causa seja provada e eles reprovados.

O povo judeu não foi exterminado senão dispersado por todo o mundo para que, levando consigo as profecias da graça que recebemos, nos sirva em todas as partes para convencer mais facilmente aos infiéis.

Isso mesmo foi dito e anunciado pelo profeta, “não os mates para que não se esqueçam da tua lei; dispersa-os com a tua fortaleza” (Sl 58, 12).
De fide rerum quae non videntur (Da fé no que não se vê), cap. VI, 9 (BAC, tomo IV, 1948: 812-813)

De maneira geral, os papas medievais mantinham essa perspectiva agostiniana. Como disse Heinrich Graetz (Tzvi Hirsh Graetz, 1817-1891), um dos grandes historiadores judaicos de seu povo, “Não fosse a Igreja católica, os judeus não teriam sobrevivido à Idade Média na Europa cristã” (GRAETZ, 1891, vol. III: 563, citado em DURANT, s/d: 350).

Podemos dar alguns breves exemplos. O papa (beneditino) Gregório I (c. 540-604) proibiu a conversão forçada dos judeus e manteve seus direitos de cidadania romana em terras pontificais; Eugênio III (1145-1153), ex-discípulo cisterciense de Bernardo de Claraval (1090-1154), abençoou os judeus parisienses quando de sua visita à cidade em 1145; Alexandre III (1159-1181) empregou judeus na administração das finanças; o próprio fundador da Inquisição, Gregório IX (c. 1143-1241) isentou os judeus da jurisdição inquisitorial e escreveu uma bula reprovando a violência das massas contra eles, e Inocêncio IV (1243-1254) – cento e cinqüenta anos após o período que analisamos, em 1247 – rejeitou fortemente a lenda do infanticídio ritual supostamente praticado pelos judeus:

Certos elementos do clero, príncipes, nobres e grandes senhores (...) falsamente têm engendrado planos ímpios contra os judeus, privando-os injustamente de suas propriedades pela força e apropriando-se delas; acusam-nos falsamente de dividirem entre si, na Páscoa, o coração de um menino assassinado (...).

De fato, em sua intenção criminosa, eles atribuem aos judeus todos os assassínios, onde quer que eles ocorram. E sob a alegação desta e de outras fantasias, enchem-se de raiva contra os judeus, roubam-nos (...) oprimem-nos pela fome, prisão, tortura e outros sofrimentos, chegando às vezes a condená-los à morte, de tal maneira que os judeus, embora vivendo sob príncipes cristãos, encontram-se em piores condições do que estiveram seus antepassados sob os faraós (...)

Uma vez que nos agrada não sejam eles perseguidos, ordenamos que vós vos comporteis com relação a eles de modo amistoso e bondoso. Sempre que qualquer ataque injusto contra os judeus chegar ao vosso conhecimento, remediai as ofensas e não permitais que eles sejam no futuro vítimas de atribulações similares. (os grifos são nossos. Citado em DURANT, s/d: 349)

Como se vê, mesmo no período em questão, o das cruzadas, o clássico senso de justiça herdado da Antigüidade e a idéia de preservar o Judaísmo para que servisse de testemunho da fé cristã continuavam a existir no seio da Igreja. Isso embora as admoestações papais recebessem ouvidos moucos – especialmente a partir do início das cruzadas.

Mas não eram só os papas que saíam em defesa dos judeus. Um pouco antes da Segunda Cruzada (1141-1149), o abade Bernardo de Claraval, extremamente preocupado com os pogroms ocorridos na Europa, demonstrou sua apreensão em relação aos judeus numa carta endereçada aos arcebispos da França oriental e da Baviera.

Retoricamente incisivo como de costume, o monge de Cister admoestou os seus a lutarem contra os infiéis na Terra Santa, mas prudentemente pediu o “freio da sabedoria ao zelo ardente por Deus”:

Não se deve perseguir, nem trucidar, nem mesmo expulsar os judeus. Interrogai a quem conhece as divinas páginas, que profetizam o salmo sobre os judeus, e o que diz a Igreja: “Deus me mostrou respeito aos meus grandes inimigos, para que não os mates, para que não se esqueçam de meu povo” (Sl 58, 12). Eles são para nós uma memória viva que nos representam a Paixão do Senhor.

Por isso vivem dispersos pelas regiões, e ao chorar por onde quer que estejam as justas penas de um crime tão grande, são testemunhos perenes de nossa redenção. Por isso, a Igreja acrescenta a esse mesmo salmo: “Dispersai-os e derrubai-os com Tua virtude, Senhor, nosso protetor” (Sl 58, 15).

E assim aconteceu: estão dispersos, estão humilhados, e não suportam esse cativeiro sob os príncipes cristãos. Mas se converterão à tarde, e a seu tempo serão vistos com benevolência (Sab 3, 6). E, finalmente, quando for reunida a plenitude dos gentios, diz o apóstolo (Rm 11, 25-26), Israel se salvará. Enquanto isso, o que morre permanece na morte (Jo 3, 14). (os grifos são nossos. BAC, vol. VII, carta 363: 1046-1047)

Apesar da bela e contundente pregação de Bernardo, que cita os Salmos, a Sabedoria Salomônica e o Amor Joanino – sua última alusão bíblica nesse trecho é pungente, pois coloca os judeus como irmãos (“Aquele que não ama permanece na morte. Todo aquele que odeia seu irmão é homicida”, 1 Jo 3, 14-15) – isso não foi suficiente para conter os violentos ímpetos antijudaicos das massas.

Para elas, os judeus eram os eternos assassinos de Cristo e deveriam agora purgar seu pecado. Assim como as reflexões filosóficas de um Maimônides não ecoavam em boa parte das comunidades judaicas, a meditação sapiencial dos monges cristãos e sua exortação bíblica não conseguiram incutir a benevolência no rebanho de Cristo.

Imagem 3

cruz3.jpg

“Os transeuntes injuriavam-no, meneando a cabeça (...) também os chefes dos sacerdotes, juntamente com os escribas e anciãos, caçoavam dele” (Mt 27, 39-41). Cristo, sentado em majestade, é escarnecido pela turba de judeus (dois deles com o Judenhut). Repare em Seu porte nobre, nas feridas em Seu rosto, e na caracterização animalesca criada pelo iluminista para os judeus: um, na frente, à esquerda, Lhe dá a língua (e o toca em Sua região genital), outro (à direita) manda-O calar a boca (gesto simbolizado pelo dedo indicador da mão esquerda em seus lábios) e tem feições visivelmente simiescas. Compondo o pesaroso quadro, à esquerda, um terceiro, sorri próximo de Seu ouvido direito, zombeteiramente (seus dentes estão propositalmente ampliados), e à direita, outro gestualiza seu desprezo (com a mão no nariz) e outro (vestido como um bobo da corte), aponta para o chão, como quem está a dizer “Rebaixa-te". Em contrapartida, o Cristo abaixa a cabeça e fecha Suas mãos, tocando os dois pulsos, em um gesto de contrição. Speculum Humanae Salvationis, Kremsmünster (séc. XIV).

II. Renânia

Imagem 4

cruz4.jpg

O mapa mostra a grande quantidade de comunidades judaicas prósperas no centro da Europa, todas sujeitas a ataques antes da Primeira Cruzada. Reparem que a maior parte delas se concentra ao longo dos rios Reno e Main. Tratava-se, de fato, da região mais rica da cristandade latina. In: Florida Holocaust Museum. 1. Antisemitism. Virtual History Wing.

Ainda no final de 1095, as comunidades judaicas do reino franco escreveram aos judeus renanos, advertindo-os do perigo iminente:

Escreveram cartas e enviaram mensageiros a todas as comunidades que se encontravam na região do rio Reno, a fim de que jejuassem, se penitenciassem, e implorassem misericórdia Àquele que habita os Céus, para que os livrasse das mãos do inimigo. E, à medida que as cartas chegavam aos santos dessa terra, aos homens de Deus, aos fundamentos do mundo (Pr. 10: 95) que viviam em Mogúncia, escreveram eles outras cartas em resposta aos de França. (Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 142)

Para piorar ainda mais a situação, as colheitas de 1094 e 1095 foram péssimas (exceto na Itália), o que fez com que os preços subissem justamente durante os preparativos para a expedição (GARCIA-VILLOSLADA, 2003: 371-372).

A região renana era comercialmente muito próspera e ativa. Os judeus haviam se instalado naquela região já no período romano (FALBEL, 2001: 45). Até o início do século XII, os príncipes mais ricos e poderosos de toda a Europa encontravam-se a leste do reino franco (e no norte da Itália) (NICHOLAS, 1999: 202) e, de fato, as comunidades judaicas na Renânia eram bastante prósperas (FALBEL, 2001: 45).

Assim, a conjunção prosperidade judaica renana/crise agrícola/alta de preços no final do século XI provavelmente ajudou a aumentar drasticamente a hostilidade das massas para com os judeus renanos, além, é claro, da instigação feita pelo conde Emich II von Leiningen e seu grupo.

III. Leiningen (†c. 1138)

Imagens 5 e 6

cruz5.jpg

cruz6.jpg

5. Posição de Leiningen na atual Alemanha. 6. Ruínas do castelo de Leiningen em um cartão postal (c. 1920).

A antiga vila de Leiningen (ou Leisingen, atualmente Altleiningen) se encontra hoje no Distrito de Bad Dürkheim, a leste do Bosque do Palatinado (Pfälzerwald).

No final do século XI, Leiningen era uma minúscula vila, encravada no coração do Sacro Império Romano-Germânico, praticamente na intercessão entre a Francônia, a Suábia e a Lotaríngia, na fronteira com Champagne e o ducado da Borgonha. Como tantos outros aglomerados humanos, Leiningen foi quase que imediatamente atraída pelo sonho da peregrinação à Terra Santa, no eco da pregação do papa Urbano II em Clermont-Ferrand, em 1095.

A região se encontrava no coração do fenômeno conhecido como feudalismo clássico (GANSHOF, s/d) – a quantidade de castelos na região o prova. Paralelamente, também ocorria um revivescimento comercial dos emergentes centros urbanos, concentrados ao longo do Reno (ver imagem 4). As comunidades judaicas eram, em grande parte, responsáveis por esse pujante comércio, protegidas que estavam pela concessão de franquias reais, devido ao ressurgimento do poder imperial sob os otonianos (947-1017).

Era um fato costumeiro os poderes instituídos na Idade Média protegerem os judeus contra as recorrentes demonstrações antijudaicas das massas urbanas – não sem cobrar por isso. A cronologia do florescimento da dinastia otoniana, seu renascimento cultural (conhecido como renascimento otoniano) e sua decadência têm relação direta com o apogeu e declínio das judiarias renanas e de seu próspero comércio de longa distância.

A primeira menção segura de Leiningen data de 1128 – uma certidão emitida pelo arcebispo de Mainz (Mogúncia), Adalberto I von Saarbrücken (1111-1137), ao conde Emich II. Ali, Emich construiu o núcleo principal de seu senhorio e, provavelmente, ajudou na construção do burgo e do coral da capela claustral do mosteiro agostiniano de Höningen (Chorherrenstift). Contudo, o conde de Leiningen entrou para a História por ter praticamente inaugurado os pogroms na Europa e transformado para sempre a vida dos judeus europeus.

Imagem 7

cruz7.jpg

No mapa, em vermelho, as regiões mais importantes em que ocorreram os recrutamentos para a Primeira Cruzada (os escudos brancos indicam os centros de recrutamento). As setas roxas sinalizam o longo itinerário de pregação do papa Urbano II (em 1095-1096) e, por fim, as estrelas azuis marcam as perseguições antijudaicas (à esquerda, Rouen, depois, no centro, de cima para baixo, Xanten, Colônia, Mayence, Worms, Trèves, Metz e Spira), entre o rios Mosela, Reno e Main. In: RILEY-SMITH, 1996: 29.

Imagem 8

Apesar da intercessão do próprio Cristo (à esquerda) e dos Céus, com duas longas espadas, dois reis cruzados preparam-se para executar dois judeus que, de joelhos, inutilmente pedem a ajuda de seu rabino. Bíblia, Paris (c. 1250). Essa iluminura mostra muito claramente que os pogroms praticados pelos cruzados contra as comunidades hebraicas, do ponto de vista da Igreja, não recebiam o consentimento divino. Muito pelo contrário: o próprio Cristo, de joelhos, pede misericórdia. Os céus se abrem, metaforicamente, como que para representar o castigo que os cruzados receberão no dia do Juízo Final por seus pecados.

IV. Problemas metodológicos

IV.1. As fontes judaicas

Para tratarmos dos pogroms nas cidades renanas do ponto de vista judeu, temos três documentos escritos, todos traduzidos diretamente do hebraico medieval pelo professor Nachman Falbel (USP):

1) A Crônica de Salomão bar Sansão, preservada em um só manuscrito do século XV;
2) A Crônica de R’ Eliezer bar Nathan, que possui quatro manuscritos, um do século XIV e os outros dos séculos XVII-XVIII;
3) O Anônimo de Darmstadt (ou Anônimo de Mogúncia), que possui um só manuscrito.

A utilização das Crônicas Hebraicas para a análise dos massacres das comunidades judias no norte da França e na região renana durante a passagem da Primeira Cruzada exige algumas ponderações e matizações, pois elas apresentam uma série de dificuldades interpretativas que, caso encaradas de forma acrítica, certamente comprometem o resultado e a credibilidade de qualquer pesquisa sobre o tema.

Em primeiro lugar, não é possível identificar a data em que elas foram escritas. Além disso, não sabemos ao certo se elas são originárias de uma fonte comum ou se foram redigidas a partir de outras fontes já existentes, que se perderam com o passar do tempo.

Por fim, suspeita-se que foram registradas por volta de quatro a cinco décadas após os acontecimentos, através de testemunhos dos judeus que sobreviveram àqueles dias fatídicos. Não há segurança de que os judeus que presenciaram os massacres – ou seus descendentes – sejam os mesmos que, cerca de cinqüenta anos depois, relataram os acontecimentos aos cronistas.

Durante esse intervalo de tempo, eles envelheceram, receberam influências que podem ter modificado, acrescentado ou omitido passagens que permaneceram em suas lembranças. Em seus depoimentos posteriores provavelmente já havia uma reflexão, uma reelaboração, certamente um julgamento seletivo dos fatos relembrados, além da incorporação da memória coletiva que, marcada pelas lembranças, mas, também, pelo esquecimento, tornara-se seletiva (PESAVENTO, 2005: 95).

Para I. F. Baer, alguns judeus que residiam nas cidades invadidas escreveram cartas, nas quais relataram as ações dos exércitos cristãos que se dirigiam para Jerusalém. Esses textos, segundo esse autor, posteriormente foram utilizados para a confecção das Crônicas, escritas cinqüenta anos depois.

Contrariamente a esta posição, Sonne acredita que as diferentes versões presentes nas Crônicas são oriundas de fontes originais e independentes. Por fim, mais recentemente, Anna Sapir Abulafia levantou a hipótese de que a Crônica de Salomão bar Sansão pode ser uma compilação da Crônica de Eliezer bar Nathan e da Crônica Anônima, e que a primeira teria sido escrita entre 1140 e 1146, a segunda antes de 1146, e a terceira contemporânea aos acontecimentos.

Some-se a isso o fato (agravante) de os manuscritos existentes terem sido compilados cerca de quatrocentos (para o caso da Crônica de R’ Eliezer bar Nathan) ou quinhentos anos depois (a Crônica de Salomão bar Sansão).

A necessidade de uma investigação filológica mais apurada dos textos torna-se necessária, pois, constatamos, seguindo a tese de Baer e a de Falbel, que as Crônicas foram escritas com o intuito de fortalecer a fé das comunidades judias que sobreviveram à violência dos exércitos cruzados. Os cronistas possivelmente exageraram na descrição do apego dos judeus à religião e, conseqüentemente, também pintaram com tons mais fortes a descrição do suicídio coletivo, criando assim um martiriológico – o kidush hashem (FALBEL, 2001: 66-73).

IV.2. As fontes cristãs

Por sua vez, as crônicas cristãs que aludem aos massacres são as obras de Alberto de Aix-la-Chapelle (ou de Aachen) e Ekkehard de Aura († 1126).

O primeiro nasceu no fim do século XI e escreveu sua obra (Liber Christianae Expeditionis pro Ereptione, Emundatione et Restitutione Sanctae Hierosolymitanae Ecclesiae) por volta de 1130. Nada se sabe de sua vida, além do fato de ter visitado o Oriente. Seu relato é considerado o mais completo da primeira cruzada, embora a crítica hoje avalie que seu texto compila com pouco senso crítico (mesmo para a época), lendas de testemunhas oculares, além de quase nunca citar suas fontes.

O segundo era abade do mosteiro beneditino de Aura, na Bavária (Aura an der Saale, atualmente distrito de Bad Kissingen), e foi com os cruzados alemães para a Palestina em 1101. Ao regressar para a Alemanha, compôs uma crônica do mundo chamada Hierosolimitana, contando também um pouco de sua vida, além de histórias que lhe foram narradas por seu amigo (igualmente monge) Frutholf, do mosteiro de Michelsberg, por cruzados e, também, redigidas por outros autores. Ekkehard normalmente indica suas fontes, embora seja considerado um homem demasiado crédulo (RUNCIMAN, 1983: 314-315).

Em resumo: não possuímos nenhum relato de primeira mão, judeu ou cristão, e parte do material sobre o tema sofreu as interferências da memória coletiva, dos acréscimos naturais das tradições orais, a credulidade dos personagens de então, e a possibilidade da seleção e amplificação por parte dos narradores e copistas.

Todos esses aspectos compreensivos devem ser levados em consideração no momento de comparar, interpretar as passagens de ambas as tradições religiosas e efetuar nossa narrativa. No entanto, é preciso deixar claro, que não defendemos nem o relativismo nem o ceticismo, que atualmente vigoram nos círculos acadêmicos: as diferentes versões dos massacres, registradas por diferentes escritores de diferentes credos, são um indício, um rastro que prova a existência do fato (GINZBURG, 2007). O que cabe a nós, historiadores, é compararmos, ponderarmos, interpretarmos e julgarmos as narrativas para chegarmos a um consenso sobre os eventos.

IV.3. A rispidez das fontes hebraicas em relação ao Cristianismo

De modo geral, as Crônicas Hebraicas referem-se ao Cristianismo de uma forma muito agressiva e desrespeitosa. Nachman Falbel chega mesmo a utilizar o conceito de “expressões polêmicas anticristãs” para explicar a – sábia – decisão de as traduzir o mais fielmente possível. Por exemplo, assim o Anônimo de Darmstadt inicia seu texto comentando a decisão da cruzada:

Foi no ano de 1028 da destruição do Templo que este mal recaiu sobre Israel, quando, de início, levantaram-se os príncipes, nobres e o povo comum da região da França e decidiram levantar vôo como águia e lutar para ir até Jerusalém, cidade santa, e chegar até o túmulo do crucificado, cadáver desfeito, o qual não ajudará e nem salvará, pois não é nada. (os grifos são nossos; Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 142)

Por sua vez, os cristãos são chamados de “incircuncisos impuros” e “filhos da imundície”; o papa Urbano II (1042-1099) de “Satã de Roma, a criminosa”; Cristo de “o pendurado”, o “que nasceu da prostituição”, além de “...pendurado crucificado, rebento inanimado e maculado, ídolo abominável em sua geração, bastardo concebido por uma mulher menstruada e devassa.” (Anônimo de Darmstadt, p. 152).

O que significa essa profusão de impropérios contra Jesus Cristo, Maria, a Igreja e os cristãos como um todo? Uma amplificada lembrança rancorosa dos massacres ou um sentimento latente das relações com os cristãos que jazia oculto no âmago de cada judeu? Se a resposta for a primeira hipótese, a recordação do martiriológico serviu para fortalecer o histórico elo que ligou por séculos as comunidades ashkenazis; se a resposta for a segunda tese, as expressões manifestam uma convivência tensa, com um grau de incompreensão e intolerância, que pode facilmente ter escoado para o convívio social e especialmente econômico.

Mas, ainda, cabe uma segunda questão: aquelas expressões foram, de fato, proferidas pelos personagens do massacre? Pouco provável. Registradas séculos depois, o mais verossímil é que os cronistas tenham expressado sua dor ao registrarem os depoimentos orais que receberam de segunda, terceira mão. Caso desenvolvamos essa idéia, podemos sugerir que as “polêmicas expressões anticristãs” são, simultaneamente, o registro de um lamento póstumo e também do cerne do pensamento judaico em relação ao Cristianismo. Elas são um rastro documental de que, por baixo de cada compra e venda, de cada empréstimo a juros, de cada contato social entre as religiões, existia uma profunda camada de ressentimentos e preconceitos, dos dois lados.

V. Emich II von Leiningen (†c. 1138) e o pogrom em Speyer (Spira) (03 de maio de 1096)

Imagem 9

cruz10.jpg

O próspero burgo de Speyer (ou Spira), em 1550 (Sebastian Munster, [1488-1552] Cosmographiae Universalis), uma das muitas cidades alemãs que abrigavam uma importante colônia judaica.

A cidade de Speyer (Spira) tinha uma considerável comunidade judaica que, desde o início do século XI, se expandira consideravelmente, e prosperara principalmente pelo fato de ter recebido uma carta de imunidade (charta immunitatis), concedida pelo bispo da Igreja Rudiger Huosmannus (c. 1074-1090). Graças a ela, eles podiam ter escravos cristãos, vinhedos, pomares, tribunal próprio, além do direito de vender aos cristãos a carne não consumida do abate ritual. Em caso de um litígio entre um judeu e um cristão, o judeu deveria ser julgado nos costumes judaicos (FALBEL, 2001: 46). Esses privilégios foram outorgados em 1090 pelo imperador Henrique IV (1050-1106) – o mesmo que desencadeou a famosa Questão das Investiduras.

Speyer ficava a sudeste de Leiningen. O conde Emich, “homem de reputação muito ruim por causa de seu tirânico modo de vida”, segundo o cristão Ekkehard de Aura, ignorou as concessões do imperador Henrique IV. Reuniu um exército (o terceiro que se preparou para a peregrinação) composto por nobres franceses e alemães, além de uma pequena multidão de peregrinos (RUNCIMAN, 1983: 139) e decidiu começar sua mortandade no dia 03 de maio, atacando justamente a comunidade de Speyer.

Emich von Leiningen (†c. 1138), ao qual as fontes hebraicas se referem como “Emico, o cruel”, e costumam completar seu nome com “...que seus ossos se transformem em pó”, ou “...inimigo odioso de todos os judeus”, ou ainda, “...que seus ossos sejam pulverizados”, era um senhor menor da Renânia, embora o cronista Alberto de Aix se refira a ele como “um nobre muito poderoso dessa região” (Alberto de Aix, Internet). Como tantos outros senhores dessa época – o terrível Thomas de Marle (ou de La Fère, c. 1078-1130), sire de Coucy, Boves, Marle, La Fère, Crépy e Vervins, por exemplo – ele havia granjeado fama por sua vida de banditismo, pilhagem e licenciosidade. Além de tudo, um mau senhor.

Infelizmente isso não era incomum. Muitos não tinham sido verdadeiramente tocados pelas assembléias de paz organizadas pela Igreja, conhecidas como a Paz de Deus (século X) e a Trégua de Deus (séc. XI). Mal começara o processo civilizador cristão (COSTA, 2001). Pois mesmo a Igreja não conseguia penetrar no fundo das consciências e alterar os hábitos violentos dos homens de então. O próprio Emich é um exemplo disso: apesar de viver fora das prescrições religiosas propaladas pela Igreja, o conde dizia a todos que tinha sido marcado na carne com a cruz de Cristo. Verdade ou não, mesmo com sua vida violenta – ou precisamente por isso – ele sentiu-se tocado pela pregação da cruzada e, decidiu, uma vez mais, pegar em armas.

Somado a esse violento contexto cultural, Emich exercia um verdadeiro fascínio sobre os espíritos – durante muito tempo, inclusive, a lembrança de seu nome persistiu em sua terra natal (OLDENBURG, 1968: 114). Graças a esse carisma, ele reuniu “um grande grupo de teutônicos” (segundo Alberto), “quase doze mil portadores da cruz” (segundo Ekkehard). Dentre eles, simples peregrinos, mas, também, senhores da nobreza francesa e alemã (de Zweibrücken e Salm, na Renânia-Palatinado, e de Viernenberger), além de Hartmann de Dillingen, os picardos Drogo de Nesle e Clarambaldo de Vendeuil, o próprio Thomas de Marle e o visconde Guilherme I de Melun, o Carpinteiro (assim cognominado por sua força física) (RUNCIMAN, 1983, vol. I: 139).

Em suma: um verdadeiro bando de salteadores. Assim, “...chamado pela revelação divina como outro Saul, por ter mantido a prática da religião à sua maneira, ele usurpou para si o comando de quase doze mil portadores da cruz” (Ekkehard de Aura, Internet) e os convenceu a atacar a comunidade judaica de Speyer. Em um sábado mataram dez ou onze pessoas que não quiseram ser batizadas – além de “uma mulher santa” ter-se imolado para escapar da conversão. Ao saber disso, João, bispo da cidade (1090-1104)

...veio com um grande exército com inteira disposição de ajudar a comunidade e colocou-a em lugares seguros [quartos] e salvou-a das mãos dos cruzados. E pôs fim à violência dos citadinos, pois era um homem justo, e impôs ao lugar justiça e salvação por sua vontade. (os grifos são nossos; Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 143)

Mais adiante, o Anônimo de Darmstadt nos informa que, com o auxílio do rei, esse mesmo bispo salvaguardou o restante da comunidade de Speyer “para suas cidadelas fortificadas”. Como bem observou Nachman Falbel (FALBEL, 2001: 143), o cronista do Anônimo utilizou a expressão “homem justo” por este ser um conceito basilar do Judaísmo – todos os “justos das nações do mundo” (isto é, os gentios que ajudam Israel em momentos difíceis) têm lugar no mundo vindouro (Mishneh Torah, cap. 3, 13).

Essa firme atitude do bispo de Speyer – em conformidade tanto com a perspectiva agostiniana quanto a carta de imunidade concedida pelo bispo anterior (Rudiger Huosmannus) e outorgada pelo imperador Henrique IV, como vimos – não foi uma exceção: veremos que todos os representantes da Igreja nas cidades onde ocorreram os massacres comportaram-se de modo semelhante. Contudo, seus gestos e apelos não foram atendidos pelas massas, incitadas que estavam por seus líderes, e ávidas de sangue hebraico. Certamente, o bispo de Spira teve mais sucesso em sua defesa da comunidade judaica por ser um senhor feudal poderoso, conde de Kraichgau (região de Baden-Würtemberg), senhor de várias cidades e, especialmente, chefe de um poderoso exército.

VI. Massacres em Worms e Mainz (Mogúncia) (18-28 de maio de 1096)

Imagem 10

cruz11.jpg

Worms em 1572 (Georg Braun [1541-1662] e Franz Hogenberg [1535-1590], Civitates Orbis Terrarum, mapa I-34). Nesse importante centro comercial, um parque judeu era mantido com o legado de uma mulher cristã.

Seguindo em sua rota de mortandade, o exército do conde Emich chegou a Worms no dia 18 de maio. A cidade contava com uma importante judiaria. A prosperidade econômica da comunidade renana era acompanhada de uma notável riqueza cultural: as primeiras escolas superiores em terras alemãs foram justamente as escolas rabínicas de Worms e Mainz (FLASCH, 2006: 306).

Em Mainz (Mogúncia), por exemplo, o rabino Gershom ben Jehuda (c. 960-1028) fundou uma academia rabínica (Yeshiva) que se tornou muito importante. Seu comentário sobre o Talmude tornou-o uma autoridade muito consultada pela judiaria germânica. Ele também ficou conhecido por ter decretado a excomunhão de todos os judeus polígamos.

Em comparação a Speyer, os cruzados recrudesceram ainda mais o seu massacre em Worms. Os “lobos das estepes” vieram para forçar os judeus “nas águas pestilentas [do batismo]” (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 76). Uma vez mais, Eppo, o bispo da cidade (Gegenbischof, 1090-1105), interveio, e abriu as portas de seu palácio para proteger os judeus – o bispo Adalberto II von Sachsen (1070-1107) era adepto da reforma gregoriana e, por isso, estava afastado.

Os judeus não eram populares em Worms: os próprios citadinos abriram as portas da cidade para o exército de Emich (Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 150). Ademais, já corria um rumor de que “eles” haviam contaminado a água com um cadáver para, assim, envenenar os poços da cidade. O Anônimo de Darmstadt nos informa que

Foi no dia 10 de Yar, na segunda-feira [15 de maio de 1096], que tramaram contra eles em segredo. Pegaram um cadáver que havia sido enterrado há trinta dias e transportaram-no para dentro da cidade dizendo:

“Vejam o que fizeram os judeus conosco: tomaram um gentio, impregnaram com água e despejaram a água em nossos poços para matar-nos”. E, quando os cruzados e os citadinos ouviram isso, ficaram exaltados e reuniram todos aqueles que portavam espada, do grande ao pequeno, dizendo:

“Eis que chegou o momento e o tempo de vingarmo-nos daqueles cujos antepassados mataram o Cristo. Agora, não deixemos escapar deles ninguém, nem mesmo crianças de colo e que se amamentam em berços”. E foram atacar os que se encontravam em suas casas, onde jovens gentis e donzelas formosas, idosos e idosas, todos eles estenderam seus pescoços, e também servos e servas foram mortos com eles em Nome do Senhor temível e do alto...”. (Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 144-145)

A acusação de envenenamento dos poços era nova. Difundida muito mais tarde – quando da Peste Negra, no século XIV – ela somava-se a acusações mais antigas como, por exemplo, a da profanação de hóstias. A credulidade das massas certamente foi um fator decisivo para a aceitação dessa incrível estória. As Crônicas Hebraicas, por exemplo, narram o fantástico milagre do ganso que desejava ir à cruzada – e “sabia” o caminho. Muitos o seguiram, esperançosos de chegar à Terra Santa.

Assim, incitados pela acusação de envenenamento dos poços com o cadáver, “como animais esfaimados” (Is 9, 11), os cruzados de Emich queimaram a Torah e, após sete dias de matanças nas ruas da cidade, invadiram o palácio do bispo para trucidar os que lá se encontravam protegidos. Sem um exército como João, bispo de Speyer (e conde), o bispo de Worms nada pôde fazer. Pior: teve que fugir para salvar a própria vida. Segundo a Crônica de Salomão bar Sansão, durante dois dias foram mortos cerca de oitocentos judeus – “...noivos sacrificaram suas noivas e mulheres piedosas a outras criaturas” (em FALBEL, 2001: 76). Emich

...não poupou nem ancião, nem jovem, nem donzela, nem criança, nem o lactente, nem enfermo, e colocou o povo de Deus a ser triturado como pó, passando seus jovens com a espada e abrindo o ventre de suas esposas grávidas. (Anônimo de Darmstadt, em FALBEL, 2001: 150)

Contudo, os cruzados de Emich não estavam ainda satisfeitos. Desviando-se de sua peregrinação à Terra Santa, margeando o rio Reno e dirigindo-se cada vez mais para o norte, chegaram à próspera cidade de Mainz (Mogúncia). Mas dessa vez encontraram as portas fechadas, por ordem do arcebispo da cidade, Rothard II (1088-1109). Os judeus da cidade sabiam do ocorrido em Speyer e Worms e tinham procurado o bispo, em busca de socorro, que lhes disse:

Ouvi nosso conselho e trazei todo o vosso dinheiro à casa de nosso tesouro, e vós, com vossas esposas e filhas e tudo que possuís, acorrei ao palácio do bispo, lá permanecendo até que passem os exércitos. Desse modo, podereis salvar-vos dos cruzados (...)

Também o bispo reuniu seus ministros e auxiliares, nobres da terra, para ajudar-nos, pois inicialmente sua vontade era salvar-nos com todas as suas forças. Demos-lhe um grande suborno por isso, bem como aos seus ministros e auxiliares que prometeram nos salvar. Porém, no final, todo o suborno e todo o apaziguamento não nos ajudaram para defender-nos no dia da fúria perante a destruição. (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 77)

Alberto de Aix o confirma: segundo ele, os judeus puseram um imenso tesouro na guarda do bispo Rothard, pois tinham muita fé em sua proteção, já que ele era o bispo da cidade:

Então, aquele excelente bispo da cidade cautelosamente guardou aquela incrível quantidade de dinheiro que recebeu deles, e colocou os judeus em um espaçoso salão de sua própria casa, longe da vista do conde Emico e de seus seguidores. Então eles puderam permanecer seguros e em boas condições, em um lugar muito seguro e forte. (Alberto de Aix, Internet)

O massacre de Mainz é o que merece o maior espaço nas Crônicas Hebraicas, o que contém o maior número de diálogos. Segundo a Crônica de Salomão bar Sansão, os judeus se encontraram com o próprio Emich e deram a ele sete libras de ouro por suas vidas. De nada adiantou. Os citadinos abriram as portas da cidade para ele, e os exércitos invadiram, “para vingar o sangue do crucificado”. Liderados por R’ Kalonymus bar Meshulam, o Parnass (chefe da comunidade), os judeus “...vestiram suas armaduras e pegaram em armas de guerra, dos mais velhos aos mais jovens”, mas, devido aos jejuns e penitências que tinham feito, estavam sem forças para resistir àquele ataque (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 82).

Entrementes, os homens de Israel haviam se refugiado no palácio do arcebispo. Este, ao ver o ímpeto assassino da multidão, fugiu com seu séquito. Nachman Falbel o acusa de covardia, e afirma que foi “pusilânime e traiçoeiro” (FALBEL, 2001: 50). Contudo, judeu ou cristão, quem ali permaneceria?

A luta ocorreu no pátio interno, judeus contra cruzados e citadinos. Ao verem que seu destino estava selado, todos os judeus, juntos, choraram e aceitaram o fim. Como em Massada (73 a.C.), decidiram então pela imolação coletiva, o kidush hashem. Num longo discurso coletivo proferido na Crônica de Salomão, do qual só podemos extrair seu significado (já que é completamente inverossímil que uma comunidade inteira proferisse um texto tão longo em meio a um ataque naquelas circunstâncias), eles “disseram uns aos outros”:

Apressemo-nos e sacrifiquemo-nos como holocausto a Deus. E todo aquele que tiver uma faca examine-a e verifique para que não esteja com falhas, e degolemos para que santifiquemos o Nome de Deus, o Eterno, e depois degole-se a si mesmo, pela sua própria garganta, ou enterre a faca em seu próprio abdome (...)

E ali as mulheres, tomadas de coragem, degolaram seus filhos e filhas e também a si mesmas. E muitas pessoas tomaram coragem e sacrificaram suas esposas e seus filhos. A amorosa e delicada mãe sacrificou a criatura que a fazia feliz (...)

E as mulheres justas e piedosas estenderam seus pescoços umas às outras para sacrificarem-se em seu Santo Nome, assim como o fizeram cada um com seu filho, irmão com irmã, mulher com seu filho e filha, vizinho com seu vizinho e amigo, noivo com noiva, compromissado com compromissada, um sendo o sacrificador e o outro o sacrificado, até que um sangue tocou outro, até que o sangue dos homens misturou-se ao das mulheres, o do pai ao de seus filhos, o do irmão ao de suas irmãs, o dos mestres ao de seus discípulos, o dos noivos ao de suas noivas, o dos chantres ao de seus escribas, o dos infantes e bebês ao de suas mães, e morreram e derramaram seu sangue para santificar o Nome elevado e temível. (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 85).

Novamente, o suicídio coletivo é confirmado por Alberto de Aix:

Os judeus, ao verem que seus inimigos cristãos os atacavam e às suas crianças sem pouparem nenhuma idade, também caíram uns sobre os outros, irmãos, crianças, esposas e irmãs, e assim pereceram, uns nas mãos dos outros. É horrível de dizer, mas as mães cortaram as gargantas de suas crianças e apunhalaram as outras, preferindo que morressem por suas próprias mãos a serem mortas pelas armas dos incircuncisos. Desta cruel matança dos judeus poucos escaparam, e poucos, mais por medo que por amor à fé cristã, foram batizados. (Alberto de Aix, Internet)

De todo o longo rol de estórias das Crônicas Hebraicas, porém, a mais pungente é a de uma mãe que, vendo os cruzados se aproximarem para arrombar a porta, decidiu matar seus quatro filhos. Ela preferia isso a vê-los convertidos à “fé dos incircuncisos”. Um deles, de nome Aarão, apavorado, ao ver a mãe apunhalar o irmão ainda no berço, se escondeu embaixo de uma caixa e gritou: “Minha mãe, não me sacrifique!”. A Crônica a denomina “a Justa”, pois ela respondeu: “Também não terei piedade ou misericórdia de ti!”. Resoluta, a mulher “...sacrificou-o ali mesmo, perante o Deus das alturas”. Quase que imediatamente, os cruzados arrombaram a porta, viram-na agonizando, e perguntaram onde estava escondido o seu dinheiro. Mas, ao verem as crianças mortas, “espancaram-na e mataram-na sobre eles, e sua alma pura expirou” (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 88). A matança ainda durou dois dias.

*

Com algum dos seus – e graças à ajuda do arcebispo Rothard, o “pusilânime”, segundo Falbel – o rabino Kalonymus ainda conseguiu fugir à noite com cerca de cinqüenta judeus, através do rio Reno, para o burgo de Rudesheim. Ali pediu asilo ao arcebispo da cidade que, muito satisfeito, se alegrou por ele ainda estar vivo, e prometeu salvá-lo, juntamente com aqueles que com ele se encontravam. Contudo, logo a seguir ponderou que não tinha como salvá-los, a não ser que se convertessem; do contrário, que “carregassem o pecado de seus antepassados”. O rabino respondeu: “Tuas palavras são verdadeiras e corretas, que não tens força para nos ajudar”, e pediu uma noite para decidir.

Ao consultar sua comunidade, contudo, o rabino e os seus decidiram pelo sacrifício. Kalonymus foi o primeiro a dar o exemplo: beijou e matou seu filho José. Ao saber disso, o bispo ficou muito irritado, disse que não desejava mais ajudá-los – e contou aos aldeãos o ocorrido. Estes decidiram então juntarem-se aos cruzados e matar os últimos sobreviventes de Mainz (Crônica de Salomão bar Sansão, em FALBEL, 2001: 98-99).

E assim, os cruzados “profanaram em nome do pendurado”.

Conclusão

Imagem 11

Tipos de vestimentas e emblemas de judeus medievais franceses do século XII. Paris, Biblithèque Nationale, MS. Français 820, folio 192. In: Encyclopaedia Judaica 1971, Vol. 4, col. 65 (Jewish Encyclopedia 1901-1906).

À medida que a Idade Média se aproximou de seu entardecer, de modo geral, a intolerância cresceu (COSTA, 2004). A condição social dos judeus conseqüentemente piorou, como bem sublinha Maurice Kriegel (2002: 37). Do antijudaísmo nascido nas cruzadas, a civilização ocidental caminhou a passos largos para o anti-semitismo, palavra originada somente no século XIX (ARENDT, 1989: 17-143), a ponto de Karl Marx (1818-1883), ele próprio um judeu, afirmar, em um vigoroso e ácido texto seu de natureza anti-semita (A questão judaica, de 1844), que os judeus eram anti-sociais, egoístas (pois só pensavam em seus interesses e benefícios), tinham como Deus secular o dinheiro e a letra de câmbio, que um judeu apenas tolerado em Viena decidia, com seu poder monetário, a sorte de todo o Império Austro-Húngaro, e que o Cristianismo era o pensamento sublime do Judaísmo, “assim como o Judaísmo é a aplicação prática vulgar do Cristianismo” (MARX, 1991: 55-62).

Do ponto de vista compreensivo-histórico, o extermínio nazista do século XX só dificultou ainda mais o estudo histórico das relações entre as duas religiões e a análise do importante papel do Judaísmo na construção do mundo contemporâneo. Assim, como entender uma atrocidade ocorrida há mais de novecentos anos? Como historiadores, devemos nos abster de julgar os fatos históricos, como tantos hoje apregoam? A compreensão impede o julgamento?

Essas perguntas devem ser respondidas antes de concluirmos essa breve investigação. Em nossa consideração, é impossível não julgar com extrema severidade os massacres do Reno: fazer História sem juízo é uma temeridade, pois nosso reconhecimento do passado implica necessariamente o conceito de julgamento (GINZBURG, 2003). Ademais, nenhuma sociedade age sem algum sentido do certo e do errado (“...mesmo Hitler sabia que o Holocausto era imoral, ou não teria feito esforços para escondê-lo”, GADDIS, 2003: 141), e o sucesso com que o relativismo histórico é acolhido atualmente nos círculos acadêmicos é um imenso retrocesso ético, significativo sinal dos tempos hodiernos.

Embora o processo de estranhamento entre cristãos e judeus só crescesse, do final do Império Romano do Ocidente até o início do século XI, embora houvesse, de fato, uma cultura geral ainda bastante embrutecida, bem como os empréstimos a juros praticados pelos judeus causassem muita antipatia nas massas e, embora a teoria antieconômica cristã, defendida pela Igreja, involuntariamente só acirrasse, ainda mais, as diferenças entre as práticas sociais das duas religiões, o fato é que, como vimos, até mesmo os contemporâneos letrados cristãos registraram com severidade os atos praticados pelo conde Emich. Em outras palavras, mesmo para a época, aquela selvageria foi vista como um ato bárbaro, pois os clérigos medievais tinham, em que pesem as circunstâncias, uma notável noção do certo e do errado.

Ademais, a pregação da passagem (esse era o termo utilizado pelos medievais para se referirem à cruzada), isto é, da peregrinação armada aos lugares santos atacados para novamente possibilitar aos crentes uma viagem segura, foi acompanhada de uma notável preocupação da Igreja com o antijudaísmo das massas. Não por acaso, Bernardo de Claraval, um dos espíritos mais vigorosos da época – e mal visto por parte da historiografia atual, que, anacronicamente, o considera o defensor de uma espécie de jihad católica (BERLIOZ, s/d) – saiu em defesa dos judeus, avisado que fora dos excessos cometidos por salteadores entre os cruzados, e chegou mesmo a peregrinar pessoalmente àquela região para tentar pôr fim aos massacres (COLOMBÁS, 1993: 163).

De qualquer modo, o fato é que os pogroms de 1096 inauguraram novos e difíceis tempos na sociedade do ocidente medieval para os judeus: a partir de então, progressivamente, a vida seria cada vez mais penosa para as comunidades judaicas. O martiriológico das Crônicas Hebraicas serviria como uma forte lembrança de sua consciência de grupo religioso, que os diferenciavam dos goim, do resto do mundo.

Aquele maio sangrento nunca deveria ser esquecido. Através das Crônicas Hebraicas, os hediondos crimes do conde Emich II von Leiningen contra os judeus renanos ficaram marcados indelevelmente na memória do povo escolhido. Mas o pior ainda estava por vir.

 

*

Agradeço sobremaneira as leituras críticas e sugestões feitas pelos amigos Prof. Dr. Alexander Fidora (ICREA), Prof. Dr. Harvey Hames (Ben Gurion University of the Negev) e o amigo de todas as horas Stan Stein.

 

Fontes

FALBEL, Nachman. Kidush Hashem. Crônicas Hebraicas sobre as Cruzadas. São Paulo: Edusp, 2001.

SAN AGUSTÍN. Obras de San Agustín (Obras apologéticas). Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos (BAC), 1948, tomo IV.

SAN BERNARDO. Obras completas VII. Cartas. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos (BAC), MCMXC.

Florida Holocaust Museum. 1. Antisemitism. Virtual History Wing.

Internet Jewish History Sourcebook.

MARX, Karl. A Questão Judaica. São Paulo: Editora Moraes, 1991.

Medieval Sourcebook: Albert of Aix and Ekkehard of Aura: Emico and the Slaughter of the Rhineland Jews.

 

Bibliografia

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BARTLETT, W. B. História Ilustrada das Cruzadas. São Paulo: Ediouro, 2002.

BERLIOZ, Jacques. “S. Bernardo, o soldado de Deus”. In: BERLIOZ, Jacques (apres.). Monges e Religiosos na Idade Média. Lisboa: Terramar, p. 47-56.

COSTA, Ricardo da. “La caballería perfecta y las virtudes del buen Caballero en el Libro de la Orden de Caballería (ca. 1279-1283) de Ramon Llull”. In: FIDORA, A. e HIGUERA, J. G. (eds.) Ramon Llull caballero de la fe. Cuadernos de Anuário Filosófico – Série de Pensamiento Español. Pamplona: Universidad de Navarra, 2001, p. 13-40.

COSTA, Ricardo da. “Ramon Llull (1232-1316) e o diálogo inter-religioso: cristãos, judeus e muçulmanos na cultura ibérica medieval: O Livro do gentio e dos três sábios e a Vikuah de Nahmânides”. In: LEMOS, Maria Teresa Toribio Brittes e LAURIA, Ronaldo Martins (org.). A integração da diversidade racial e cultural do Novo Mundo. Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

COLOMBÁS, G. M. La tradición benedictina. Ensayo histórico. Tomo cuarto: El siglo XII. Zamora: Ediciones Monte Casino, 1995.

Crusades-Encyclopedia.

DURANT, Will. A Idade da Fé. Rio de Janeiro: Editora Record, s/d.

Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia).

FAVIER, Jean. Carlos Magno. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

FLASCH, Kurt. El Pensament Filosòfic a l’Edat Mitjana. Santa Coloma de Queralt: Obrador EdÉndum, 2006.

FOURQUIN, Guy. História Económica do Ocidente Medieval. Lisboa: Edições 70, 1986.

GADDIS, John Lewis. Paisagens da História. Como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

GANSHOFF, F. L. Que é o feudalismo? Lisboa: Publicações Europa-América, s/d.

GARCIA-VILLOSLADA, Ricardo. Historia de la Iglesia Católica II. Edad Media (800-1303). La cristiandad en el mundo europeo y feudal. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos (BAC), MMIII.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, Carlo. “No lado negro da história. Uma entrevista com Carlo Ginzburg”. Revista Histórica 7/2003.

JOHNSON, Paul. História dos Judeus. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

KRIEGEL, Maurice. “Judeus”. In: LE GOFF, Jacques & SCHMITT, Jean-Claude (coord.). Dicionário Temático do Ocidente Medieval II. Bauru, SP: EDUSC; São Paulo, SP: Imprensa Oficial do Estado, 2002, p. 37-53.

KUGLER, B. “Historia das Cruzadas”. In: ONCKEN, G. Historia Universal. Volume IX. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, s/d.

LEHMANN, Johannes. Las cruzadas. Los aventureros de Dios. Barcelona: Ediciones Martínez Roca, 1989.

NICHOLAS, David. A evolução do mundo feudal – sociedade, governo e pensamento na Europa: 312-1500. Lisboa: Publicações Europa-América, 1999.

POLIAKOV, Léon. História do Anti-semitismo I – De Cristo aos judeus da corte. São Paulo: Perspectiva, 1979.

OLDENBOURG, Zoé. As Cruzadas. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1968.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

PIRENNE, Henri. Maomé e Carlos Magno. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.

RILEY-SMITH, Jonathan (ed.). The Oxford Illustrated History of the Crusades. Oxford University Press, 1995.

RILEY-SMITH, Jonathan. Atlas des croisades. Paris: Editions Autrement, 1996.

ROUSSET, Paul. História das Cruzadas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980.

RUNCIMAN, Steven. Historia de las Cruzadas. 1. La Primera Cruzada y la Fundación del Reino de Jerusalén. Madrid: Alianza Universidad, 1983.

SORLIN, Pierre. O Anti-semitismo alemão. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

TUCHMANN, Barbara W. Um Espelho Distante: O terrível século XIV. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1990.

Aprenda mais